terça-feira, 4 de setembro de 2012

NOTA DE R$ 100,00


Olá amigos, colegas, conhecidos, seguidores e afins do meu blog, estou vindo aqui muito raramente, mas hoje não sei o que meu deu resolvi vir aqui pra escrever um pouco, na verdade, quero apenas compartilhar um texto que li e que achei por bem trazer aqui pra que leiam... sem mais vamos ao texto: 

Um famoso palestrante começou um seminário numa sala com 200 pessoas, segurando uma nota de R$ 100,00. Ele perguntou: “Quem de vocês quer esta nota de R$ 100,00?” Todos ergueram a mão...

Então ele disse: “Darei esta nota a um de vocês esta noite, mas primeiro, deixem-me fazer isto...” Então, ele amassou totalmente a nota. E perguntou outra vez: “Quem ainda quer esta nota?” As mão
s continuavam erguidas.
E continuou: “E se eu fizer isso...” Deixou a nota cair no chão, começou a pisá-la e esfregá-la. Depois, pegou a nota, agora já imunda e amassada e perguntou: “E agora?” “Quem ainda vai querer esta nota de R$ 100,00?” Todas as mãos voltaram a se erguer. O palestrante voltou-se para a platéia e disse que lhes explicaria o seguinte: “Não importa o que eu faça com o dinheiro, vocês continuaram a querer esta nota, porque ela não perde o valor. Esta situação também acontece conosco. Muitas vezes, em nossas vidas, somos amassados, pisoteados e ficamos nos sentindo sem importância. Mas não importa, jamais perderemos o nosso valor. Sujos ou limpos, amassados ou inteiros, magros ou gordos, altos ou baixos, nada disso importa! Nada disso altera a importância que temos. O preço de nossas vidas, não é pelo que aparentamos ser, mas pelo que fizemos e sabemos.”
Agora, reflita bem e procure em sua memória:
Nomeie as 5 pessoas mais ricas do mundo.
Nomeie as 5 últimas vencedoras do concurso de Miss Universo.
Nomeie 10 vencedores do prêmio Nobel.
Nomeie os 5 últimos vencedores do prêmio Oscar, como melhores atores ou atrizes.
Como vai? Mal, né? Difícil de lembrar? Não se preocupe. Ninguém de nós se lembra dos melhores de ontem.
Os aplausos vão-se embora. Os troféus ficam cheios de pó. Os vencedores são esquecidos.
Agora faça o seguinte:
Nomeie 3 professores que te ajudaram na tua verdadeira formação.
Nomeie 3 amigos que já te ajudaram nos momentos difíceis.
Pense em algumas pessoas que te fizeram sentir alguém especial.
Nomeie 5 pessoas com quem transcorres o teu tempo.
Como vai? Melhor, não é verdade?
As pessoas que marcam a nossa vida não são as que têm as melhores credenciais, com mais dinheiro, ou os melhores prêmios.
São aquelas que se preocupam conosco, que cuidam de nós, aquelas que, de algum modo, estão ao nosso lado.
Reflita um momento. A vida é muito curta. Você, em que lista está?

Achei que seria interessante compartilhar com vocês...

Diogo Hamlet

quinta-feira, 16 de agosto de 2012

Manda quem pode, obedece quem tem juízo...


Bom dia amigos blogueiros e leitores dessa página, a minha vida tem se transformado em um trem bala sem freio, quanta coisa acontecendo em velocidade luz, tenho grandes dificuldades com algumas coisas da vida, como exemplo, administrar alguns sonhos que tomaram proporções maiores que eu imaginava, não que isso seja ruim, mas pra que a eficácia e qualidade do sonho continue como sempre quis é preciso tomar umas decisões mal interpretadas e coagidas a se transformar em traíragem ou até mesmo descaso com vinculo estabelecido, mas como já dizia um amigo meu: “Quem tem dó do coitado, fica no lugar dele.” Quer saber se é fácil está na minha posição? Assume o projeto no meu lugar.
 
Existe um sentimento que as pessoas confundem na hora de fazer negócios. Se relacionar com alguém com o objetivo contratar um serviço é uma atividade comum para todos, mas que traz dúvidas sobre como se encaixa a amizade, simpatia e o profissionalismo nesse contexto.

Dá a impressão que no mercado corporativo, estas qualidades caminham de forma distinta, que uma prevalece ou substitui a outra.
Veja a diferença de percepções e crenças sobre esses valores. É como que ser simpático e estabelecer um vínculo de amizade, fossem suficientes para promover relações duradouras e trazer resultados rentáveis e o profissionalismo não precisasse existir.

Desde quando que relacionamento e negócio rentável não têm tudo a ver com profissionalismo onde o conhecimento do serviço nesse caso específico uma modalidade atlética de arte marcial (Jiu-Jitsu), não trás transparência na relação, ética na conduta. Postura educada se alinham e fazem que a relação de ganho seja boa para os dois lados e se crie o vínculo neste relacionamento.

Só é perene e consistente quando a relação de ganho é boa para os dois lados e assim fica estabelecida a troca. Quantas vezes presenciamos cenas onde o professor se utiliza de agrados e falsos discursos para conquistar o aluno, aquela pessoa que, no fundo, quer simpatia, cortesia sim, pois acredita que profissionalismo é parte inerente da troca, não é o diferencial.

Esta simpatia, algumas vezes “amizades” que se criam quando acontecem as relações de troca, não tem nada de errado, pelo contrário, nos faz mais calmos, nos descontraem e a conversa rola solta, vinculo este que se leva pro resto da vida, exatamente por que os primeiros passos na arte marcial foram dados e ensinados por esse amigo. Nós devemos ficar atentos para conhecer cada um de nossos alunos, sobre a forma e maneira que merecem ser tratados e respeitados, independente de como foi meu dia ou do que eu passei em uma outra situação, ninguém é culpado de nada e os treinos pra muitos é um válvula de escape.

Não dá para avançar o sinal, os olhos, as mãos e principalmente o corpo, fala. E como fala.

É tão prazeroso fechar um negócio quando as duas partes sentem o dever cumprido e os olhares se cruzam numa sensação de saúde e bem-estar. Por que esta mania de achar que relações têm que ser suadas, duras, demoradas e estressantes para valer a pena? Como se amizade, confiança, simpatia e muito profissionalismo não fossem capazes de trazer sucesso e tranquilidade para cada um de nós.

Que tal nos desarmarmos e nos conscientizarmos que queremos mimos, agrados, abraços quando participamos de uma relação de troca na base da uma confiança já cultivada e continuamente preservada pelas nossas atitudes e valores verdadeiros?

Como diz um poeta - vale a pena quando a alma não é pequena”.


ProAsas – Um projeto que visa, Apoio, Saúde, Ambiente e Sustentabilidade, venha você também fazer parte desse projeto.

Diogo Hamlet


sábado, 28 de julho de 2012

Meu Mito da Caverna


Queridos blogueiros, amigos, familiares colegas e contatos do meu facebook, quanto tempo não venho aqui escrever, nossa, estava com muita saudade de escrever. O que aconteceu? Bom, estava em um mosteiro no Tibete. Brincadeira, eu estava em um processo de tratamento, nossa Diogo você é uma bomba relógio ou uma metamorfose ambulante com defeito, ao mesmo tempo que está feliz, está mudando, está vivenciando problemas, está pensativo, está de um pico ao outro com uma freqüência frenética. Queridos, esse sou eu a inconstância da minha insatisfação, me transforma em um ser humano buscando mudanças, tentando ser melhor do que fui ontem e com os erros cometidos confesso que levo tempo pra canalizá-los como experiência e seguir em frente.

Foram “dias de Lutas e dias de Glória”, como já bem dizia Charlie Brown, encontrei-me com a fraqueza criada por traumas de infância que nunca antes tratados, sempre voltavam a me assombrar, confrontei todos eles de frente com muito vigor e atitude, consegui ultrapassar essa etapa da minha vida que venhamos e convenhamos demorou muito pra chegar nela. Consegui trazer de volta uma paz que eu não sentia a mais de 15 anos, salve, salve as consultas psicológicas e a reaproximação intima, única e exclusiva com Deus. 

Eu juro pra vocês que era completamente preconceituoso com toda e qualquer área da psique, me intitulava louco em pensar que um dia poderia precisar ir a algum dos que trabalham nessa área. Só que a vida é uma caixinha de surpresas e de tanto lutar contra isso na busca de ser alguém melhor, pedia a Deus que fizesse isso como um milagre, como forma de glória onde fosse prazeroso sentir a transformação, mas: “Do homem são as preparações do coração, mas do SENHOR a resposta da língua.Provérbios 16:1.

E foi assim que tudo começou, e é assim que estou aqui agora pra compartilhar minha alegria de poder enxergar a vida de outra forma e agora em 3D.

Em breve mais acontecimentos e alegrias a serem compartilhadas... sem mais por hora.

Fiquem com esse vídeo que especificamente hoje, confirmou algumas coisas sobre minhas convicções cristãs, que estive pensando no decorrer dessa semana.


Diogo Hamlet

quinta-feira, 21 de junho de 2012

Afrometamorfose


Olá blogueiros de plantão, estou de volta bem rapidinho, prometo. Quero só desenrolar um assunto rápido com vocês, que me ocorreu de ontem pra hoje, depois de uma noite fantástica, seguida de um sol sorridente, que levemente piscou pra mim, me lembrei de quando eu era moleque (sem responsabilidades), quase adolescente, achava que o mundo era aquilo ali que meus olhos podiam ver, que as pessoas eram o que aparentavam ser, e que eu realmente era o que eu achava que era, e acreditava veemente que tudo sempre seria assim, que a minha comida predileta sempre seria bife com batatas fritas, que eu jamais iria usar um terno, que enduro(jogo de Atari, ex-videogame) era o máximo, e  que sempre detestaria sertanejo,  que seria fisioterapeuta depois de uma carreira grande no futebol, e que sempre me manteria fieis as minhas opiniões. Mas o tempo passa e com ele as mudanças acontecem. Com o tempo as pessoas mudam, mudam de gostos, de opiniões, de valores, as pessoas inteligentes mudam sempre, mudam de lugares, de estilo, mudam se quer que seja o sorriso ou o perfume, ou um móvel de lugar. Porque mudar é bom, é chato viver na mesmice, é chato ser todo dia a mesma coisa, fazer tudo igual de novo, ouvir as mesmas musicas, vestir a mesmas roupas, passar o mesmo perfume. Por isso que vivo em metamorfose, porque o novo é legal, o desconhecido é empolgante o diferente é mais divertido, como disse Raul Seixas: "Eu prefiro ser essa metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo."

Hoje eu sou assim, amanhã eu serei diferente, e assim sucessivamente e eu sou feliz por assim Ser, seja você também, Mude. Tente o novo todo dia!

As pessoas mudam, o mundo muda... Tudo se transforma com o tempo, e nada permanece igual. O que nos resta são os bons momentos que foram vividos e que ficaram guardados para sempre em nossa lembrança.

Devemos viver cada segundo intensamente. Nada é perfeito e em nossa vida, surgem obstáculos e muitas vezes nos vemos sem saída e sem solução para nossos problemas. Aí pensamos e surge a dúvida: Será que existe luz no "fim do túnel"?  Para tudo existe uma solução e o maior e principal problema está em nós mesmos, em nossa dificuldade de encarar os fatos e lutarmos por aquilo que realmente desejamos. Toda pessoa possui dentro de si um certo medo, uma insegurança de não conseguir e de ser um perdedor; mas a vida é uma intensa provocação, e devemos encará-la de "peito aberto" para poder vencer e mostrar a nós mesmos que somos capazes de lutar e sermos os melhores. Devemos sempre seguir a voz de nosso coração e seguir sem medo de viver.

Podemos ser felizes com pequenas coisas. Sempre faça de sua vida uma eterna primavera com flores sempre a nascer. Vida é renovação, é esperança e temos que ter força para lutar. Não importa que tipo de vida você tenha, apenas viva e tente ser feliz, lute até o fim, busque seus sonhos e ideias com toda a força que puder, pois com certeza alcançará; e no fim de sua vida, você poderá olhar para trás e dizer com orgulho: "Eu lutei, eu vivi, eu busquei, eu venci." E os pequenos e grandes obstáculos que enfrentou, você perceberá que foram como "espinhos " que se foram e se perderam com o tempo.

A palavra nunca, não existe no vocabulário da vida, pois nós podemos tudo o que quisermos. A auto confiança e a segurança devem ser as principais armas nessa batalha que se chama vida. Mas o que a vida representa? A vida é feita de momentos muitas vezes ruins e bons, tristes e alegres e de presente, passado e futuro. O passado foi vivido e as recordações restam; para o futuro termos esperanças de uma vida feliz.
Mas e o presente? Devemos vivê-lo ao máximo, para podermos fazer desses momentos os melhores de nossas vidas. Um conselho: Viva e aprenda com a vida. A cada dia, aprendemos novas lições e com elas tiramos proveito para não errar novamente, não "tropeçar" no mesmo erro. 

Todos os dias acordamos e fazemos praticamente o mesmo, e às vezes o cotidiano cansa. Mas mesmo assim, olhe para o céu e para o sol. Enquanto ele brilhar para nós, ainda existirá esperança, esperança naquele Deus que quando entramos no campo do impossível ele se faz presente e toma conta da situação.

Diogo Hamlet

terça-feira, 19 de junho de 2012

Vida a 2


Olá amigos internautas, blogueiros, seres viventes, amantes da leitura, convictos que vale a pena viver mesmo com tantos obstáculos a serem enfrentados e gritantemente encarados com toda a força possível e impossível. Hoje tenho algumas coisas particulares para compartilhar, passei uma semana longe de ser o que realmente acredito como estilo de vida, por um erro que cometi.

Eu poderia contar detalhes de como tudo aconteceu, mas pra quê? Uma vez disseram-me que exponho demais minha vida e minha família nesse blog.

Bom, aqui é o lugar onde coloco meus pensamentos sobre o que a vida me ensina, e como a ideia é de alguma forma ajudar alguém que passe por aqui, que leia alguns dos meus posts, achei por bem especificamente nesse texto dizer o que aprendi esses últimos dias com a pancada que levei, no segundo final do round, que me fez ser nocauteado no ponto mais fraco que tenho. Acreditem, foi Deus quem criou o matrimônio: uma relação única na experiência humana.  Não há nenhum outro relacionamento tão íntimo e gratificante; casamento nos obriga a viver com outra pessoa na mais íntima união conhecida pela humanidade - essa intimidade, no entanto, pode ser intimidante. Somos obrigados a revelar o nosso verdadeiro eu, muitas vezes com medo de sermos rejeitados; uma vez que vencemos o medo da transparência, descobrimos que não existe relação mais maravilhosa e prazerosa, nessa união divina, temos a oportunidade de perdoar e amar como Deus nos ama, fácil? Não, ninguém nunca disse que seria, o mundo hoje goza de uma geração independente que não se permite enfrentar problemas com relacionamento, tudo o que passam é o estopim para o fim.
Não sei por que tanta necessidade de provar sua superioridade, sou antiquado e quero me manter assim, se isso me fizer envelhecer ao lado da mulher que amo. Eu erro, ainda vou errar, não sou perfeito, não sou a pessoa ideal, não sou o homem que toda mulher sonhou, eu só procuro ser hoje melhor que ontem, e ao longo da minha vida de casado descobri que, perdoar é uma escolha, o perdão é maior prova de amor no casamento. O perdão dá oportunidade ao outro de ser hoje quem não era ontem, perdoar liberta tanto o ofensor quanto o ofendido.

Vocês se lembram da história da prostituta arrependida que dava banho os pés de Jesus com as suas lágrimas e enxugou-os com seus cabelos? Quem não lembra ou não conhece tenha a bondade de tirar uns minutinhos para conhecer lendo (Lucas 7.36-50). Depois que ela realizou esse ato de respeito e amor, Jesus contou a história de dois homens que deviam dinheiro a um mesmo credor.  Um devia 500 denários, e o outro apenas 50. A história revela muita coisa, a dívida do primeiro era enorme, impagável, não havia nenhuma possibilidade dele quitar a dívida, o único meio de o devedor ser livre da dívida, era receber o perdão do credor; o credor, graciosamente, tinha que cancelar a dívida, ao contar a história, Jesus fez a seguinte pergunta: "Qual dos homens será mais agradecido ao credor?" A resposta é óbvia, aquele que foi perdoado da maior quantia. Perdão gera o amor na sua forma mais plena. Quem muito é perdoado, muito ama. Eu hoje sei que amo muito além daquilo que acreditava que era amor, sei que sou uma nova criatura, por que vivenciei a maior prova de amor que alguém pode ter, foi um fantástico momento, do maior e mais avassalador tsunami de sentimentos que já tive na vida. Aprendi e vivenciei que devemos perdoar ainda que os erros sejam repetitivos (Mateus 18.19-21). Perdão generoso, ainda que haja faltas reincidentes, gera amor profundo e duradouro, perdoar “setenta vezes sete” significa perdoar sempre, o que não significa que temos carta branca pra errar, atitudes loucas, presença forte do irracional, lagrimas de dor, raiva, ferida aberta e amor, amor incondicional, amor puro, amor sincero, amor zeloso, amor, simplesmente amor, quem tiver a honra de ser presenteado com esse amor, dê sua vida para mantê-lo vivo, por que vai ser ali que vai encontrar a tal felicidade que o mundo inteiro procura.

No casamento, determinadas infrações serão repetitivas, conte com isso! Eu casei com uma lista pronta das coisas que Telma tem que fazer ou não fazer. As exigências nos levaram à borda da insanidade. Cada pessoa tem seus hábitos, alguns irritantes, que mesmo depois de casados, são persistentes, não importa o que o outro diga ou faça! Perdoar é essencial para o crescimento, amadurecimento e mudança do relacionamento. Eu sempre fui alvejado por erros reincidentes, por falhas mal tratadas e aprendi a não contabilizar erros, me perdoei imediatamente (Efésios 4.26,27).

Todo casal deveria ter Efésios 4.26 gravado numa placa bem visível acima da cama: "Não deixe o sol se por, enquanto você ainda está zangado." Ou parafraseando: "Perdoe ou perca o sono!”.
A mensagem é clara: não durma até esclarecer tudo o que tem prejudicado o seu relacionamento durante o dia. O fluxo de adrenalina que alimenta a raiva os manterá acordado, e eu senti ardendo como chama de fogo no corpo todo, essa dor de não conseguir dormir. Mas eu aprendi da pior forma possível que quem adia ou deixa o perdão permite que o desejo de perdoar acabe, permite que o coração endureça e permaneça fechado, permite que os afazeres do dia a dia impeçam a reconciliação, permite que interferências negativas, permite a ação do diabo. Quem não conversa e perdoa rapidamente especialmente antes de o dia terminar faz dívidas enormes e em longo prazo. Ou você paga suas contas ou as faz em curto prazo ou pagará um juros altíssimo pela sua teimosia, doeu, dói, vai doer, quero morrer quando essa dor vem, perco o brilho quando erro novamente na mesma situação, só que existe um Deus que quando as forças não existem mais, quando pra nós começa o campo do impossível, Ele vem e nos pega no colo com aquele olhar de amor, passa a mão no nosso rosto e diz: “Agora é comigo, descanse.”
Esse autoexame inclui os relacionamentos horizontais, em especial, a relação do casamento; se seu casamento está em desordem, a sua capacidade de desenvolver-se espiritualmente está em perigo. E lá está o tal do Diogo Hamlet e aquela velha mania de querermos resolver tudo sozinho. A unidade do casamento depende de cada parceiro. Eles perdoam continuamente para restabelecer a sua relação única. O ato de perdoar faz o casal experimentar a graça de Deus enquanto dá um ao outro o que Deus tem graciosamente dado a cada um, perdoar é a única maneira de manter a saúde e a unidade da relação, aprendendo a se apaixonar de novo a arte de manter um bom casamento! (estou apaixonado) e quero me manter assim. Quando me casei a primeira emoção falou mais alto, tudo culminou com uma lua de mel maravilhosa naquelas águas quentes de Caldas Novas-GO, amor, romance, paixão, celebração e prazer eu estava certo de que nada poderia ficar entre Telma e eu, o romance manteve as nossas emoções alteradas e o amor superou os desentendimentos, a raiva, a dor, ora, se a paixão e romance eram mais fortes do que as dificuldades, está claro o que precisamos fazer? Manter acesa a chama do amor. O desejo de amar deve ser mais forte do que qualquer desentendimento. Aprendi a perdoar e buscar a cura emocional.
Cuidado para que expectativas irreais do casamento o façam vulnerável, não espere o romance continue como se fosse uma febre; a paixão existe mas ela vem e vai, quem não é capaz de perdoar e renovar o amor fará com que o casamento torne-se emocionalmente falido, emocionalmente morto. A maioria dos casamentos pode sobreviver a uma grande dose de estresse externo, mas poucos casamentos sobrevivem à morte emocional.

Perdão, reconciliação e luta pela unidade são essenciais para a manutenção de um relacionamento emocional saudável, confrontar-se com cuidado e carinho, casamento exige uma relação de responsabilidade diante de Deus e do homem, o desejo de enfrentar um ao outro pode ser a nossa primeira linha de defesa, mas além de nos afastar um do outro, nos afastará de Deus, quando um dos cônjuges nota que o outro está negligenciando as disciplinas espirituais deve motivar a mudança com delicadeza e doçura, mas nunca use Deus e a Bíblia como uma marreta.

A impaciência e o “pavio curto” são sinais que a vida espiritual está ficando em segundo plano, confronte com sensibilidade e sabedoria. Não evite a confrontação quando alguma coisa que vai mal precisa ser abordada, quem ama não permanece em silêncio quando o outro vive um padrão autodestrutivo ou prejudicial a sua família, a reconciliação é OBRIGATÓRIA!

Em muitos relacionamentos, pode haver uma lacuna entre o perdão e a reconciliação, pode haver intervalos naturais de separação. São lacunas do tempo que nos proporcionam a oportunidade de colocar nossas emoções sob controle e gastar tempo meditando sobre o assunto para receber o toque do Espírito Santo que nos levará em direção à reconciliação, no casamento há exigências diferentes! O casamento envolve viver juntos para sempre, em I Coríntios 7.1-5 nos ensina a viver juntos e partilhar unidade física juntos em uma base regular para evitar a tentação, só abstendo-se de união por curtos períodos de tempo e apenas para o jejum e oração; e assim mesmo se os cônjuges estão de acordo, o casamento não é um relacionamento casual, devemos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para que haja paz entre nós.
Nossa, eu senti o perdão e aprendi tanto sobre ele nesses últimos dias que falei feito louco, mas tudo bem faz parte, coloquei pra fora tudo que achei que seria útil pra quem, um dia precisou do perdão e pela a falta dele perdeu alguém. Entenda que aplicar essas verdades no meio das escaramuças das crianças é essencial, porém seu impacto é quase nada diante do seu exemplo como casal, seus filhos precisam ver que vocês se amam o suficiente para perdoar sempre, ao perdoar, seus filhos terão confiança e segurança para confessar erros e perdoar, a disposição de perdoar seu cônjuge torna-se uma ancora estável para o seu lar, perdão e reconciliação são testados ao máximo entre marido e mulher, confronto terá de ser abordado com o máximo cuidado, não faça questão de estar certo, é a reconciliação que deve ser buscada e alcançada em sua totalidade, faça o que a Bíblia diz! Confie em Deus e você vai vê-lo trabalhar.

Quando conheci a Telma tive a certeza de que, amor não é se envolver com a pessoa perfeita, aquela dos nossos sonhos. Não existem príncipes nem princesas. Encare a outra pessoa de forma sincera e real, exaltando suas qualidades, mas sabendo também de seus defeitos. O amor só é lindo, quando encontramos alguém que nos transforme no melhor que podemos ser...
Amor, Eu te amo...

Diogo Hamlet

terça-feira, 12 de junho de 2012

Dia dos Namorados


E galera antenada na rede mundial de futilidades necessárias! Uma boa tarde a todos os meus leitores prediletos e a você que também vem às vezes ler as besteiras que eu posto... Ah, enfim, uma boa tarde pra todo mundo!
Hoje dia 12/06/2012, pense: abri minha rede social e a capacidade de amar e de reclamar estavam bombeando como uma artéria cortada apontada pra minha tela; é sempre a mesma história e você, já deve ter ouvido impropérios semelhantes por aí: chega o dia dos namorados e somos bombardeados de solteiros pregando o quanto é maravilhoso ser solteiro e que casal dá ânsia de vômito.
Dê outro giro, também somos bombardeados de pessoas que amam e são EXTREMAMENTE felizes porque amam, mas de uma felicidade que chega a incomodar. E obviamente essas pessoas acham que os solteiros felizes são, na verdade, frustrados e recalcados que nunca descobriram o amor.
Eu, do alto da minha felicidade normal de ter alguém pra compartilhar o mel e o suor da vida, prefiro ser nem tanto ao céu, nem tanto a terra. Porque, olha só, já fui adolescente; já amei de maneira doentia e incômoda. Tenho a absoluta certeza que devo ter incomodado alguém com a minha felicidade transbordante e delirante de ter uma namorada pra quem dar um presente no famigerado dia 12 de junho.
Também já fui o solteiro feliz que pregava aos quatro ventos que era uma maravilha fazer sexo com qualquer ser vivente pelo       qual eu tivesse desejo, que era uma maravilha não estar obrigado a gastar dinheiro em um dia criado pelo comércio pra se aproveitar dos apaixonados ridículos e tudo isso aí.
O fato é que o tempo e todas as cicatrizes que acumulei nos últimos 29 anos me ensinaram uma porrada de coisas, que tento aplicar não só no meu relacionamento com a Telma Martes, mas em todos os relacionamentos que eu tenho: família, emprego, amigos e tal. O lance mesmo é achar o ponto de equilíbrio e levar a vida como se estivesse vivendo de amor e brisa.
Porque amar é legal, é legal pra caralho... Quando é normal; quando ninguém se consome, quando o excesso não vira o todo. Quando a gente consegue amar a pessoa mas também ter um trabalho, e ter amigos pra beber nos fins de semana (pra quem bebe), pra ir à igreja nos encontros jovens (pra quem vai).  E quando você menina-moça não fica perturbando a paciência alheia postando fotos e musiquinhas e coisas rosadas sobre você e seu "mozão".  Se eu te contar que perfis únicos nas redes sociais pra você e seu "mozão" não são legais, você vai acreditar? Vai não? Honey, we have a problem. Se você vê seu namorado todo dia e liga mais de três vezes ao dia pra ele e tem a audácia de usar voz infantil em público, WE HAVE A HUGE PROBLEM.
Não quero saber o que seu namorado tem de lindo e de romântico ou o quanto ele te faz feliz. Tão pouco preciso saber se está sendo o cara mais perfeito que você já teve. Por outro lado, não amar pode ser legal, mas assume: tem hora que faz uma falta. E nem vem dizer que é o ápice da liberdade poder pegar/transar com todo mundo. Primeiro porque eu tenho certeza que você, solteiro profissional, não transa todos os dias com pessoas diferentes. Tem casal que transa todo dia. E uma transa diferente todo dia. Esse papo de sexo de casal que é chato e tal é meio caído. Que todo casal morre na rotina também é meio caído. Até porque rotina, eu garanto, não é esse bicho papão que vocês pensam não. Tem coisa mais deliciosa que conhecer tão bem a esposa a ponto de poder surpreendê-la num estalar de dedos? Tem não.
E esse é o tipo de coisa que a rotina proporciona. Conheço casais que têm tanto medo da rotina que sequer suportam estar a sós. E isso não é legal. Aí pegam filas enormes de quase 5 horas na frente dos motéis chiques da capital e pra que? Hummm... sair da rotina, que nojo.
Olha, me perdi. Voltando aos solteiros profissionais: você pode, de fato, ser feliz sem um namorado(a). Você pode, claro, achar um nojo aqueles casais absurdamente felizes. Eu também acho. Mas você não precisa maldizer o amor e todos os namorados do mundo. Porque tem gente normal, sabe? Gente que mora junto e tenta tirar o bom e eliminar o ruim da rotina. Gente que não mora junto e não se fala todo dia. Tem gente, EU JURO PRA VOCÊ, que não faz ideia do que o namorado gosta de verdade.
E o dia dos namorados taí: é um fato. Eu não sou acostumado a dar presentes e nem de receber.  Telma tem mudado isso em mim com o passar dos anos.  O que de fato aprendi, são que pequenos gestos que dizem apenas "oi, lembrei-me de você, porque amo você". Ninguém precisa de rosas caindo de um helicóptero ou carro de som com música da Manu Gavassi pra provar que ama. Isso, de fato, é um exercício diário. Mas você não precisa ser coração gelado e fingir que não dá pra fazer uma coisinha bacaninha a dois.
Resumindo: ame sim, se declare sim, dê valor sim, seja empolgado e criativo, seja diferente, seja autêntico, faça o que achar que deve fazer, mas faça. Saia da teoria das redes sociais.
Solteiros, não se aluguem para o dia dos namorados, não é fim do mundo você estar só, se não tem ninguém de graça, não vai ter alguém pagando no dia de hoje, pense e daí se você passar o dia dos namorados sem namorado? Ninguém passa o dia do índio com um índio, nem o dia da árvore com uma árvore. E muito menos o dia de finados com um defunto...

Diogo Hamlet

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Impossível? Pra quem?


Ei amigos, colegas, conhecidos, leitores anônimos, parceiros e geral, como estão todos vocês? Espero que bem, sobre meu final de semana, nossa, tenho que dizer que a adrenalina foi acima do normal, meu coração ficou tão agitado que nem dormi direito, mas essa história vai ficar pra um próximo post. Segunda-feira é sempre segunda-feira, é o dia que você volta a sua rotina profissional depois de um ou dois, de descanso. Exatamente na segunda-feira algumas pessoas tomam “decisões” ou começam a fazer coisas importantes pra sua vida, exemplo disso é: “Ahhh vai fazer dieta? Vou sim, segunda-feira eu começo”. Quer dizer então que agora você vai correr todos os dias? Sim, segunda-feira eu começo. Todos nós, em algum momento das nossas vidas, sonhamos em ter o corpo perfeito, em se destacar em alguma coisa, ser alguém especial, alguém reconhecido e importante. Quem nunca fantasiou em ser um Neymar? (Não, esse não estou só brincando) , mas sim um, Tony Stark(Homem de Ferro)? Eike Batista ou uma Angelina Jolie? Quem não sonhou em ser modelo ou miss universo? E quantas vezes não sonhou  em ter uma fortuna incalculável, ser bem sucedido ou ter um relacionamento extraordinário com a pessoa dos seus sonhos ou do sonho dos outros?
Muitas vezes sonhamos grande e temos muitas vontades. Infelizmente os nossos sonhos não passam disso mesmo, de simples sonhos. E as nossas visões de vida perfeita, vão acumulando pó nos escombros das nossas memórias distantes.
Mas devido a um turbilhão de eventos, a nossa vida é sujeita a uma tremenda mudança de direção. Em vez de experimentar aventuras emocionantes, somos apanhados na monotonia da vida do dia-a-dia, deixando de viver e apenas existir ou sobreviver.
Mas sabe de uma coisa? A vida pode ser MUITO melhor, basta para isso, aprender a colocar a barreira bem mais elevada, aquele murinho que você costuma achar difícil de pular, experimente coloca-lo alguns metros acima, se desafie a superar seus limites.
O problema mais comum em colocar objetivos na nossa vida é a utilização da palavra “impossível”. Grande maioria das pessoas sai do percurso quando começa a pensar “eu não vou conseguir fazer aquilo”. Ou “é muito difícil”. Ou ainda “é praticamente impossível”, “ninguém consegue fazer isso”. Quem já fez curso de teatro comigo pode falar isso com propriedade, “NÃO EXISTE NÃO CONSIGO...”
No entanto, se todos pensassem assim não existiriam coisas novas, ninguém iria conseguir inventar nada, a humanidade não teria presenciado a tremenda evolução que se tem surgido com frequência a nossa volta.
No sentido inverso, algumas pessoas sofrem por sonhar numa vida incrível, mas sem agir. Resultado? Desilusão, sonhos desfeitos ou não realizados, uma amiga semana passada me disse uma frase interessante: “Se você não consegue dizer não pra você, como irá dizer não para os outros”. Se você se limitar com duvidas sobre as suas reais capacidades e com hipóteses de autolimitação, você nunca vai ser capaz de se superar, e alcançar aquilo que acha ser impossível.
Aqueles que apenas sonham em alcançar as suas metas, sem trabalho árduo, acabam frustrados.
Por outro lado, se a uma centena de anos alguém dissesse que o homem iria à lua ninguém acreditava. Se dissesse que seria possível enviar uma mensagem para o outro lado do mundo em apenas alguns segundos, diriam que isso só seria possível em sonhos. Mas com alguma vontade, sacrifício e perseverança, todos esses sonhos considerados impossíveis são agora uma realidade incontestável.
Pergunte a qualquer “personal trainer” que ele lhe dirá que para melhorar fisicamente terá de sair da sua zona de conforto e trabalhar diariamente em prol das suas metas. Lembre-se da frase “No pain, No gain” ou seja “Sem sacrifício não há ganho”, quando estou no meu treino de jiu-jitsu, vejo o quanto os meus parceiros de treino são fortes e jovens sendo até desleal eu ter que treinar com eles, porém, não me vejo 15 anos mais velho que eles, me vejo 15 mais experiente e o impossível é só questão de opinião.
Portanto BlogLeitor, sonhe! Mas não se deixe atrapalhar pelas suas falsas autolimitações. Pense grande, mas trabalhe na mesma medida, porque o prazer da conquista é proporcional ao sofrimento necessário para a alcançar. Sonhe, lute de forma aguerrida com todas as armas disponíveis e nunca, nunca, nunca, MAS NUNCA desista de tentar alcançar tudo aquilo que sempre sonhou.
Diogo Hamlet

quinta-feira, 31 de maio de 2012

O Mundo gira parceiro




Egocentrismo é a característica que define as personalidades que consideram que todo o mundo e todas as pessoas giram ao redor de si próprio."

Sem muita vontade para escrever, e sem vontade de alimentar o egocentrismo alheio, queria apenas deixar uns pensamentos inspirados aqui.

Você, que ainda acredita que o mundo gira ao seu redor, e que todos os problemas são causa única e exclusivamente do que aconteceu NO PASSADO, pense.

Será que a vida para, quando as confusões acontecem?

O que faz uma pessoa pensar que depois do "já foi" e do "já passou", as coisas ainda continuam paradas naquilo?!



Hoje tenho um novo pensamento, hoje sei lidar com algumas situações, que normalmente costumavam me incomodar. Acho que o nascimento da minha filha há dois anos e quase cinco meses, me tornou uma pessoa mais antenada em como funcionam algumas coisas, não vou dizer que sou expert no quesito lidar com situações da vida, porém algumas lutas me deixaram mais forte e sem medo de encarar problemas, enfim quero compartilhar sobre alguns que ocorridos depois de alguns dias em que fiquei em silêncio e observação; o que vou começar a desenrolar aqui não é e nem nunca vai ser específico a alguém que eu conheça ou que faça parte do meu convívio, estou falando em um contexto abrangente pontos comuns em várias pessoas me inspiraram para escrever esse texto.

Ontem tive um momento especial com minha filha, um doce de menina, superinteligente cada dia mais surpreendente; confesso que educar filhos é, talvez, a tarefa mais difícil imposta ao ser humano. Nunca temos certeza se estamos acertando ou errando e esta dúvida perdura a vida toda. A certeza de estarmos fazendo a coisa certa nunca temos, afinal, ter certeza de alguma coisa já é bem difícil, pois a vida é feita de incertezas. O que podemos fazer é tentar errar o menos possível. Isto sim está em nossas mãos.

Esse assunto é delicado: O mimar demais, por exemplo, para entendê-lo é preciso primeiro entender o amor. O amor de um pai e de uma mãe por um filho é imenso, descomunal, chega a não caber no peito e em nome deste amor, alguns pais podem cometer alguns deslizes. A partir do momento em que a criança nasce ela precisa que suas necessidades básicas sejam satisfeitas, como alimentação, proteção e carinho. O mimo começa quando os pais satisfazem mais do que a criança precisa. O mimo é o excesso de tudo: de cuidados, de paparico, de apego, mas mimo não é demonstração de amor.
Muitos pais não permitem que o filho aprenda com seus erros e tentando evitar que este filho sofra, resolvem tudo por eles.

Resolvem a briga com o coleguinha da escola, fazem a lição de casa para o filho ao invés de ajudá-lo a fazer, resolvem tudo por ele, presenteiam demais sem ter um porquê, se algum brinquedo quebra, correm para comprar outro (o certo seria tentarem consertar o brinquedo juntamente com a criança, assim ela aprenderá a consertar suas atitudes quando for mais velha), enfim, coisas que não permitem que o filho cresça.
Este mimo transforma a criança em um adulto inseguro, que acha que tudo que fizer não será bom o suficiente, sem confiança em si mesmo, afinal, sempre fizeram tudo por ele, não é? Ele cresce sem acreditar que pode. Cresce sem força.
A criança naturalmente gosta de participar de tudo, gosta de ajudar e gosta de mostrar o que faz. Quantas vezes a minha esposa lavando louça e a minha filha quer ajudar? Nestas horas a deixamos tentar. Não criticamos, pois ela estará fazendo dentro das limitações próprias da idade, e elogiamos muito a iniciativa dela de querer fazer e querer aprender algo novo.
A função principal dos pais é preparar o filho para o mundo, e no mundo provavelmente eles receberão muitos “nãos”. A criança mimada transforma-se em um adulto que não sabe receber um “não”. Ele se desestrutura e tentará de todas as formas manipular a situação para conseguir o que deseja.
Isso acontece porque, provavelmente, criança todas as suas necessidades foram mais do que satisfeitas, então ela não aprendeu a lidar com as frustrações. Nós não temos tudo o que queremos, não é? Nem tudo o que desejamos, e geralmente nos damos conta disso, mas o mimado não consegue. E sofre muito quando não realiza algum desejo ou quando percebe que o mundo não gira somente ao seu redor (como era quando criança), trazendo inclusive sofrimento para os pais.
Muitos mimados recorrem outras coisas (drogas, bebidas, noites fora de casa, alta velocidade em carros) como forma de fugir de um mundo tão cruel que não continuou o que os pais começaram, não conseguindo suprir todos os desejos. E os pais inconformados com a ira do destino, não entendem como o filho pode ser assim, sendo que deram de tudo pra ele.
O mimo está intimamente ligado à dificuldade dos pais de colocarem limites nos filhos e no seu próprio apego. Amor não é apego. Amor é criar com o coração e com a cabeça junto, fui claro?
As crianças precisam vivenciar experiências de ganhos e perdas, brigas e fazer as pazes, dividir, compartilhar, e é assim que elas vão aprendendo a viver em sociedade, para que quando se tornarem adultos aprendam seus limites, os limites do outro e principalmente respeito, sabendo se posicionar diante de qualquer situação sem julgamentos e acusações desnecessárias só pra fazer parte de um convívio onde não se tem assunto e o inventar ou fantasiar torna-se algo necessário para alimentar sua natureza animal de destruir a alegria de alguém.
Procure amar seu filho(a), mas principalmente crie-o(a) para o mundo, é a sua experiência como pai e como mãe que pode transformá-lo(a) em uma pessoa de caráter, firme e que aguenta as pancadas que a vida vai dar com certeza.
E pra finalizar minha mensagem agora vai pra você que já é grandinho(a) e que vive como se não fosse, de forma que vive buscando ser notado, fazendo dos outros alguns degraus pra chegar a ser o mais legal, ou mais confiável, ou mais importante tenho que concordar com você que, autoestima é FUNDAMENTAL, mas, acreditar que a importância que você tem ou que você teve na vida de uma pessoa vai governá-la para sempre é egocentrismo.
A vida continua acontecendo, a fila anda, novas pessoas entram e saem, novos problemas acontecem e quem vive de passado é museu!
Mude seu foco, siga em frente e pare de pensar que tudo é uma indireta (ou direta), pra você! A importância que você teve ficou exatamente onde a história acabou!

Diogo Hamlet

sexta-feira, 25 de maio de 2012

Beber, Cair e Levantar


E aí povo do meu Brasil, galera animada, amigos das grandes festas, pilhados do meu dia a dia, companheiros da cervejinha na sexta...Ops eu não bebo, deleta então, e por falar em bebida estou evitando até refrigerantes, mas esse final de semana vai ser complicado tenho festa pra ir e pra cobrir sexta, sábado e domingo, “#puts” mas vai ser muito legal, preciso me divertir também né, não que eu seja melhor que ninguém, jamais, mas creio que sei me divertir sem perder a noção da realidade. E hoje quero justamente falar sobre isso. O que mais vejo em noticias de festas e comentários pós eventos é que o que mais interessa nos dois litros de refrigerante são as garrafas pet. São nelas que os jovens, meninos e meninas de 15 a 18 anos, invariavelmente misturam os litros de bebidas destiladas. Pode ser cachaça da mais barata ou, quando a coleta de moedas entre eles permite, um litro de vodka - de qualquer procedência. Pronto, o "tubão" já pode passar de mão em mão, ou melhor, de boca em boca. Agora é só sair por aí, aprontando.
Em qualquer lugar da cidade a cena se repete diariamente. Pode ser na mais distante satélite ou no centro de classe média de Brasília. Até na saída das escolas, tanto públicas quanto particulares, o "tubão" faz sucesso. E não importa se é de dia ou de noite. Longe de ser apenas uma estimativa, a constatação é de que os jovens começam a beber cada vez mais cedo. O principal motivo, em minha opinião é: a facilidade com que as pessoas têm acesso às bebidas alcoólicas. O número de pontos de venda cresceu assustadoramente. Além disso, com a complacência dos pais, eles são abastecidos igualmente em casa, nos bares e nas festas.

Conversando com uma colega ela me disse não se lembrar direito, mas acha que tomou só dois porres este ano. "Não fiz nada de errado, só me arrependi por ter passado mal no dia seguinte", comentou, salientando que está aprendendo a se controlar. Para muitos adolescentes, beber junto com a turma passou a ser o principal programa da semana.
Observando a chegada de meses festivos, percebo algumas conversas sobre o assunto e ouvi em uma delas: “Comecei a beber aos 17 anos, para acompanhar a galera, mas agora já estou acostumado com a bebida, pra beber comigo o cara tem que ser bom de bico, fico mais descontraído e corajoso, as mina piram", se vangloriando. Nas madrugadas, principalmente dos finais de semana, essa galera de hoje ficam na rua, fazendo o que eles hoje chamam de "zuar". Perdem o controle. Também percebo que os jovens frequentam as festas cada vez mais cedo e, que, na maioria delas, o consumo de bebidas para menores é totalmente liberado, “open bar”. Entendo isso, como falta de maturidade a maioria dos jovens desconhece o que é beber com responsabilidade.  "Por isso perdem o controle quando bebem". Ahhh Diogo então você não é contra as pessoas beberem? Não.

A violência provocada pelo descontrole dessas turmas é responsável pela morte violenta de jovens entre 15 e 24 anos. Quando não são as brigas entre eles, os acidentes de trânsito provocados pelo abuso no álcool inflacionam as estatísticas. O fenômeno do aumento de alcoolismo entre jovens é no mínimo preocupante. Que o alcoolismo está se tornando cada vez mais alarmante não é novidade. "No entanto, é preciso tomar conhecimento de que a situação está ficando fora de controle". Lendo uma matéria recente, me assustei quando vi que o número de mortos e de incapacitados devido ao consumo de álcool em todo o mundo equivale à soma dos óbitos causados por pressão alta e pelo fumo. Por isso, reconheço que uma política sobre o uso do álcool não é mais uma questão nacional, mas sim de saúde pública mundial. O alcoolismo é uma doença, além dos problemas físicos e emocionais, o álcool está direta ou indiretamente ligado à maioria esmagadora das ocorrências policiais e dos registros hospitalares.

No meu entender, uma das principais causas desse comportamento está ligada ao mau funcionamento da sociedade. Propagandas ditando como ser, agir, se vestir e a falta de monitoramento dos pais na vida de seus filhos, podem ser consideradas ações contundentes para os jovens, que não tem maturidade para discernir sua postura diante dos fatos corriqueiros da vida.

 Assim, quando vêem o pai ou mãe, tomar um comprimido para relaxar, um drinque para aliviar as tensões, vai ter como referência que seu bem-estar está diretamente associado a adicionar algo, como álcool, para obtenção do prazer. Contudo o resgate de valores familiares e atitudes simples, como, elogiar e dar afeto aos filhos, conversando sobre qualquer assunto, sem tom autoritário, pode afastar a possibilidade da criança buscar futuramente na bebida alcoólica, sua sensação de prazer. A pressão social dos grupos de amigos, também é fator determinante para o uso do produto. Incentivar os jovens a praticar esportes, estar envolvidos com atividades “artísticas”, de trabalho voluntário é uma maneira de orientá-los a adquirir hábitos saudáveis, é fundamental que a sociedade, o estado e a família tenham consciência dos malefícios do uso abusivo do álcool.

Quanto mais cedo se começa a ingerir álcool, mais precocemente o organismo reagirá. No Brasil, as estimativas são de que o alcoolismo consome mais recursos do que todo o orçamento da Previdência Social, você tem noção do que é isso? Além disso, mais da metade dos acidentes de trânsito no país estão relacionados ao consumo de álcool, também causa de 87% dos casos de agressão registrados nas delegacias da mulher, porra Brasil, acorda. O adolescente não vai por conta própria atrás de informações sobre os malefícios das bebidas alcoólicas, por isso, além de medidas restritivas, uma das principais ações para tentar reverter essa situação é:

Cri...Cri..Cri...Cri...

Não sei, mas vou pensar, mas do jeito que tá não dá.

Diogo Hamlet

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Olha de novo


Bom, dia, tarde, noite e hoje é segunda feira. A neblina tomou conta da cidade, não se enxergava nenhum palmo a sua frente, sabe aquela sensação de encontrar alguma coisa depois das nuvens, pois é foi com essa cena que encarei meu primeiro momento do dia. Já meu final de semana foi produtivo, cansativo e claramente proveitoso, eu gosto de falar sobre como estão às coisas comigo por que todo dia me pego entendendo meu valor no mundo, entendendo minha missão como pessoa, cada atitude feita de coração em prol de ajudar alguém, me ajudo, me fortaleço, cresço e nesse final de semana eu pude contemplar isso com mais afinco. Bom, vamos ao assunto de hoje, eu tenho o hábito de observar, simplesmente por não ter a todo tempo um assunto interessante pra puxar, na maioria das vezes estou brincando, mas, não é sempre que as pessoas estão nesse clima de brincadeiras e graças a Deus, isso geralmente é perceptível com a prática da observação, é muito glorioso ver pessoas com tanta transparência, o macete de lidar com essas pessoas é desencanar que o problema é com você, e respeitar o espaço delas, logo, logo, você sente que a pessoa esta como sempre. Isso me fez vivenciar inúmeros momentos desagradáveis na vida, acho que houve forte contribuição o fato de eu ter sido pivô de vários desapontamentos por insistir na pergunta: “O que você tem?”, os vastos estudos ainda não acharam respostas concretas, que diria eu, um mero mortal. Mas foi assim que encontrei aquela tal luz no fim do túnel e achei depois do seu brilho a formula mágica da harmonia familiar, social, religiosa e profissional, quem quer brigar? Se estressar? Comentar? Julgar? Falar mal? Se livrar? Se essa uma pessoa simplesmente não invade seu espaço, não passa da linha do inconveniente, que não é pedra de tropeço, que não é alguém que vai te atrapalhar na estrada da vida, quem? Ninguém. O grande problema de você ser tão legal, tão atencioso, tão gentil, é a dificuldade que você vai ter caso resolva não estar bem, o senso de observação pode não ser reciproco, pode não ser observado com o cuidado que você observa e aí sim o que você tanto evita vai virar por algumas horas ou dias seu maior inimigo: O que você tem? Você não é assim. Às vezes, realmente não é nada, você só não quer brincar, pelo menos algumas vezes é bom estar introspectivo, calado, meditando, ouvindo, degustando, aprendendo. Quem me entende? Quem arrisca tentar me entender? Quem pode imaginar como sou feliz em conseguir fazer alguém sorrir? Tudo na vida tem um preço e todo preço é alto quando existe no pacote a palavra relacionamento.

Esse texto exige concentração pra entender, confesso que tá confuso, mas às vezes é assim que me sinto, tem um filme chamado: “Dança comigo” com Jeniffer Lopes e Richard Guere, que conta a história de um empresário, que em um determinado momento da vida, ele se sente tão completo, tão feliz que precisa de algo diferente e com medo de contar a esposa e ela se chatear achando que ele não está satisfeito com o casamento, começa a fazer dança de salão escondido, o que gera um comportamento fora do padrão e na mente “feminina” da esposa ele está a traindo, e depois de contratar um detetive para segui-lo, tem a surpresa.

O filme é fantástico eu gostei muito de ter assistido, sempre está passando na TV paga eu paro e assisto nem que seja alguns pedaços, me identifico com esse filme, por que muitas vezes os padrões sociais, reagem de forma erroneamente intuitiva, quando a mudança de atitude do homem. Sempre está intrínseco que há traição. De fato a sociedade pós vicio midiático, tem a certeza de que onde a fumaça há fogo. Na minha atual realidade não vejo motivos claros, para pensar assim, me condenem se quiser, mas eu ainda confio nas pessoas mesmo não recebendo essa mesma confiança de volta. É claro que com moderação, mas volto a bater na tecla das “expectativas”, quando você passa a entender que o ser humano é falho e que ele pode um dia te decepcionar , você passa a valorizar mais o seu Eu, você então descobre que, você é amoroso, você é pai, você é amigo, você é marido, você é chefe, você é líder, você é fiel, não porque aquela pessoa merece o seu respeito, mas por que o seu caráter é assim, ser assim é ser você, sem ter um por que ou um por alguém, simples assim. Sem mais, é isso não espere meu julgamento por uma coisa que você fizer certo ou errado, pra mim você será sempre muito querido(a), a menos que ultrapasse a linha tênue entre liberdade e libertinagem.

Diogo Hamlet

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Quem se importa?


Bom dia, Boa Tarde, Boa Noite, como estão todos vocês? Espero que muito bem caminhando para o sucesso. Hoje quarta-feira, acordei com disposição, bem menos cansado que nos últimos dias, o sol não veio e a neblina e o frio vieram tomar café comigo, está sendo gostoso receber essas visitas logo cedo, gosto desse clima frio, bom, estou frequentando com bastante assiduidade a escola da vida e todo dia é um aprendizado diferente e como de costume quero compartilhar com vocês alguns pensamentos que me ocorreram.
Quem nunca ouviu: “Não importa o quanto você se importe, algumas pessoas simplesmente não se importam”. Faz parte do texto “Um dia a gente aprende”, de William Shakespeare e eu confesso que, desde que li este texto pela primeira vez, penso muito nele e concordo com cada vírgula que está ali. Eu poderia escrever sobre qualquer frase desse lindo texto, que vale muito a pena ser lido, mas escolhi esta em especial porque, na minha opinião, é a frase mais forte e mais certa contida nele, e explica muitas coisas que sentimos em relação a outras pessoas.
Algumas vezes, convivemos com pessoas que, por mais que façamos por elas, estas são incapazes de valorizar as nossas atitudes, e acabam até machucando o nosso coração. Neste momento, nos sentimos completamente perdidos e ficamos fazendo aquela insistente pergunta: “aonde foi que eu errei?”. Muitas pessoas (eu, por exemplo) têm o terrível hábito de acreditar que são culpadas por todas as coisas ruins que acontecem em suas vidas e ao seu redor, sem perceber que nem sempre quando somos feridos por alguém significa que fomos nós que fizemos algo que a levasse a isso, a tal da expectativa(ainda trabalhando nela) que falei no texto anterior. Na maioria dos casos, é a própria pessoa, por livre e espontânea vontade, que decide agir de tal maneira, simplesmente porque ela não se importa nem um pouco com você, por mais que você se importe com ela e queira sempre o melhor. Mas isso também não significa que esta pessoa não goste de você. Pode significar apenas que ela não tem maturidade o suficiente para reconhecer os atos de amor e entrega que são dedicados a ela.
É uma dura e fria realidade. É claro que não fazemos as coisas pensando em retorno, mas esperamos pelo menos um mínimo de consideração por parte do outro. Mas essa consideração muitas vezes não vem. Algumas pessoas simplesmente são incapazes de enxergar e dar valor às atitudes das pessoas que as amam e, como se isso não bastasse, ainda ferem de morte as pessoas que elas mesmas mais amam, mas talvez ainda não tenham se dado conta disso.
Cada pessoa tem a sua própria maneira de amar, e não podemos dizer qual é a maneira certa e qual é a errada, afinal, não existe certo e errado em um mundo com tantas pessoas diferentes, de gênios tão diversos e que carregam dentro de si os mais variados medos e traumas, que influenciam diretamente na maneira de ser, pensar e agir, por isso não se importar não significa não amar, não querer perto, desprezar. Muitas vezes, só damos valor às coisas quando já é tarde demais, quando o tempo já passou, quando a pessoa amada já partiu ou quando a situação já está crítica demais para ser solucionada. Isso é uma atitude normal do ser humano, alguns fazem com mais freqüência, outros com menos, mas todos nós, pelo menos uma vez na vida, já agimos dessa maneira. As experiências de vida nos fazem perceber, cada dia um pouco mais, que devemos aprender a agradecer e a expressar os nossos sentimentos às pessoas que nos cercam, pois um dia elas não estarão mais lá e nós simplesmente perderemos o que pode ter sido a última chance de dizer um “eu te amo”.
É muito difícil dar o melhor de si e não esperar nada em troca, afinal, acreditamos que o nosso melhor merece um reconhecimento, pois só nós sabemos o esforço necessário para dar esse melhor, mas, infelizmente, e isso é um fato que não há como ser mudado, encontraremos por nosso caminho pessoas que amaremos muito, que moveremos céus e terras por elas e estas simplesmente agirão como se nada estivesse acontecendo, como se não estivessem vendo nenhum dos nossos esforços. Algumas destas pessoas acordarão para a vida em tempo hábil, darão valor às suas atitudes e, provavelmente, caminharão ao seu lado por muito tempo; outras continuarão cegas diante da realidade, e só se darão conta de tudo o que você fez e significou para elas quando você já tiver partido, quando já for tarde demais para te reencontrar. Não importa qual tipo de pessoa você encontrará pelo seu caminho, o que importa mesmo, é que quando realizamos boas ações sempre somos lembrados e valorizados, independente do tempo que isso demore, mesmo que você nunca saiba e nem veja, a pessoa um dia vai se lembrar de você, vai sentir saudades e vai perceber o quanto você a amou. Tudo nessa vida é uma questão de tempo, pois é o tempo que nos traz as experiências e a maturidade. Às vezes somos adultos, mas agimos pior do que crianças mimadas, mas, acredite, só fazemos isso para nos defender dos nossos próprios fantasmas.
O mais importante de tudo é dar o nosso melhor sempre, e não importa se o outro não se importa, o que realmente importa é que você se importa, e tudo aquilo que se faz com amor e entrega verdadeiros, volta para nós como créditos de felicidade.

"Desde cedo aprendi que a maioria das pessoas não se importam, realmente, umas com as outras, senão na medida em que se convêm ou desconvêm umas as outras."(A. Amaral)

Diogo Hamlet

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Expectativas


Saudações humanas para meus seguidores. Como não consigo escrever a um tempo, vou tentar passar por aqui pra deixar um pouco das atividades que tenho feito. Estou com muitas tarefas diárias, isso tem me consumido, tem preenchido todo o meu tempo, estou com dificuldades pra dormir (tempo), de ter vida social, de parar pra pensar, mas graças a Deus estou crescendo profissionalmente estou finalizando minha pós-graduação que vai arregaçar as portas pra tudo o que tenho muita vontade de fazer. Como de costume, depois de falar um pouco de mim entro em temas e/ou assuntos sobre relacionamento entre seres humanos, especificamente hoje, descobri um defeito meu, que foi corrigido mentalmente falta fazer com minhas atitudes passem a assumir essa nova postura, não se assustem que não vou me transformar em um monstro, porém houve essa necessidade de repensar sobre como estava agindo, não vou prolongar, vou dizer o que mudei. Eu desde que descobri que tinha potencial pra me adaptar a qualquer ambiente de trabalho, tenho executado todas as minhas funções com muita dedicação e profissionalismo, o que me atrapalhava muito eram as EXPECTATIVAS. Como assim Diogo, expectativas não são boas? Sim, eu sei, com certeza são boas, porém quando não se tem expectativa o que vier é lucro, e um dos meus defeitos sempre foi, se eu não obtenho o resultado desejado eu me frustro, se você me trata de um jeito durante um tempo e depois muda seu tratamento comigo eu sinto, se você reage de uma forma que eu não esperava me sinto mal; e por que isso? Porque eu coloco expectativas nas pessoas! Durante muito tempo da minha vida ficava em casa me lamentando, me culpando, achando que o errado pela a pessoa estar agindo assim era eu, quando de verdade o problema sempre esteve nas minhas expectativas, durante toda a minha vida eu aloquei em mim um sentimento de nunca se apegar a ninguém justamente por pensar que daqui uns dias essa pessoa iria embora ou tomaríamos rumos diferentes e o que de fato acontecia com muita frequência e isso me tirava muitas lágrimas, muitas dores no peito. Eu sofria de verdade porque sempre achei que todos à minha volta eram pra sempre, e quando eu falo que a vida é uma escola pra quem quer mudar de estratégia, falo com propriedade, por que Graças a Deus hoje aprendi a balancear o coração e a razão sem afetar o profissionalismo e respeito. Ainda estou em processo de aprendizagem e adaptação desse novo Diogo, são raras as pessoas que não vão sentir essa mudança, por que as que realmente se importam comigo, estão do meu lado me ajudando nesse processo. Mas Diogo, isso não é ser radical de mais? Depende. Acredito que a qualidade de vida que você anseia ter, depende única e exclusivamente de você, ainda que Deus tenha me presenteado com amigos que me socam com várias verdades, o proceder da mudança tem que partir de mim.


'Pai quantos espinhos eu pisei Senhor não foi fácil, mas eu cheguei. Muitas pedras me atiraram. Sei que errei. Muitas lágrimas rolaram, já sequei. Me ajoelhei, chorei, clamei. Eu caí mas Me deu forças pra levantar outra vez; Senhor, sei que pra Ti tenho valor. E que posso confiar no seu imenso amor. Porque mesmo sendo pecador, me amas como sou, Senhor!'(A verdade Dói mais liberta – Mano Reco)

Então queridos seguidores, termino esse texto em meio a muitas lágrimas, lágrimas de alegria por que desde que me decidi como SER HUMANO, tenho vivido melhor do que mereço e em meio as inúmeras dificuldades me sinto acolhido nos braços do PAI.

Diogo Hamlet

terça-feira, 24 de abril de 2012

Não ser perfeito é normal,


Olá queridos internautas oficiais do blog de Hamlet, estou de volta depois de um tempo sem postar. Estar sumido da internet, pelo menos pra mim, tem um ponto positivo, sinal de que as coisas estão indo bem, e o trabalho tem tomado meu tempo, logo o sucesso profissional está a caminho, enfim, estou feliz com tudo que tem acontecido em minha vida. Recentemente ocorreu uma situação que é digna de postagem: vamos lá, na escola onde trabalho tem uma pessoa que nesse texto vou definir como: “Mulher Invisível”, quando comecei a trabalhar aqui senti certo medo de me aproximar, sabe aquele jeito explosivo de quem não tem papas na língua e fala o que quer? É ela, a Mulher Invisível. Mas espera aí Diogo, dentro da descrição, é meio impossível essa mulher ser invisível. Era exatamente aonde eu queria chegar, a Mulher Invisível, tem um potencial extraordinário, durante minha trajetória pela a vida encontrei raríssimas pessoas que têm tanto talento para diversas coisas ao mesmo tempo. É o tipo de pessoa que se o cara quer que a empresa dele vá pra frente coloque-a como economista: absolutamente nada vai ter uso além do necessário. Minha admiração por ela é clara, me identifiquei em contados minutos depois que a conheci, adoro pessoas espontâneas, que não tem medo de falar o que querem, que gostam de participar, que tem sempre uma piada pra te fazer sorrir. Diogo. Entendo sua admiração por ela, só não entendo o porquê de Mulher Invisível. Ok, Ok, já estou chegando ao porquê desse nome. Quando mudei de emprego, não mudei por que tinha problemas de relacionamento, mudei por questões financeiras e por estar buscando uma experiência acadêmica para meu currículo profissional, desde que entrei na primeira empresa que trabalhei decidi ser uma pessoa amável com tudo e com todos, assim vou ter ao longo da minha vida uma recíproca verdadeira de todos que cruzarem meu caminho, respeitando o espaço de cada um; eu brinco com todo mundo, passo o dia tentando fazer alguém rir, mas nunca, acho que vale a pena repetir, NUNCA, invadi o espaço de ninguém, acredito fielmente que o respeito cabe em qualquer lugar. A Mulher Invisível tem um defeito, que agora sim explica o porquê do nome, ela simplesmente não consegue se libertar da sua inconstância, você nunca sabe quando vai vir um sorriso ou quando vai vir a uma patada, você nunca sabe quando ela está acessível e quando não quer papo, você nunca sabe, quando ela quer ser legal ou quando ela não está nem aí pra você, você nunca sabe, quando ela vai te ajudar ou quando ela vai te prejudicar, e isso a longo prazo, apaga a pessoa do seu convívio, por que essas variações de humor não são atrativas, as pessoas não gostam de estar perto de pessoas assim. E tanto talento, tanta dedicação, tanta energia pra produzir no trabalho acaba sendo em vão, ninguém nota, ninguém valoriza, ninguém vê com bons olhos, por que as pessoas não mais a admiram e sim a suportam. Entender o ser humano é uma tarefa difícil, mas se eu tivesse o poder de mudar alguém essa seria uma pessoa que com certeza valeria a pena mexer em alguns tópicos, assim eu teria a minha volta uma aliada do projeto espalhar o riso, uma parceira de trabalho, uma amiga pra todas as horas e uma profissional invejável, mas infelizmente não tenho o poder de mudar ninguém e ela errou comigo.

Ps.: Eu não consigo deixar de gostar dela, afinal, pra mim ela ainda é visível. (só estou chateado)

Diogo Hamlet