quinta-feira, 25 de julho de 2013

Peça sobre tragédia (Estreando Diogo Hamlet)

Oi, pra você que me conhece dispenso apresentações e pra você que não me conhece muito prazer, sou um artista, formado em analise de sistemas e especialista em arte e tecnologia pela Universidade de Brasília, esse espaço é onde deixo minhas opiniões, poesias e pensamentos sobre o que eu achar que devo comentar.

Bom, depois de não sei quanto tempo, eu volto para esse cantinho que tanto gosto para escrever palavras que, ordinariamente, passam pela minha cabeça e não consigo expressá-las tão bem verbalmente; sempre me dei melhor com a escrita, talvez por não ter uma crítica direta a minha pessoa; talvez por ter mais tempo de parar e ouvir o que meu próprio coração diz... não sei. Sei que já fazia tempo que queria voltar a escrever, e hoje tomei coragem e firmeza pra agir. É uma das obrigações de adulto que falaremos hoje, a necessidade de se agir, de se realizar necessidades que vão além do nosso conforto e comodidade.

Eu ousei me oferecer como mão de obra para uma empresa que me conquistou pela a sua apresentação, o dono da empresa esteve pessoalmente fazendo a apresentação do produto, que por sua vez surpreendeu a todos os que assistiam. Se existia uma ferramenta que mudaria a vida da empresa onde eu trabalhava era essa. Vislumbrado com tamanha qualidade, não pensei duas vezes. Sr. como faço pra trabalhar na sua empresa? Prontamente obtive a seguinte resposta: “Se quer mesmo trabalhar conosco, aprenda o sistema e venha, precisamos de implantadores e pessoas que faça essas apresentações... “ Um sonho, eu lidando com o um publico, oferecendo um produto que é uma necessidade de todos. Foi amor à primeira vista, devorei o sistema com muita garra, entrei na empresa como chefe dos que lá estavam, foi um upgrade na carreira. Me orgulho por tal feito.

Alguns meses depois todos os setores em que haviam problemas foram repassados a mim, organizei a casa deixei clientes em potencial que estavam decepcionados conseguindo enxergar uma solução. Eu estava realizado, profissionalmente eu era o meu próprio orgulho, no bom sentido.
 
Em um dos momentos de reflexão, observei que nesse curto período de tempo, eu estava me descaracterizando, sorrir que sempre foi meu forte, nada, fazer sorrir então, muito menos, o Diogo pra cima que contagiava as pessoas, agora só dormia, vivia cansando, chegava em casa e só pensava em trabalho, trabalho trabalho, infeliz.

Quando realmente retirada a venda dos olhos, enxerguei que estava vivendo um sonho que nunca ia acontecer, promessas que nunca chegavam, eu era um gestor, que cuidava de todos os funcionários, eu era um implantador que tinha outros sobre minha supervisão, eu cuidava de um setor de helpdesk, e quando procurei uns dos funcionários pra conversar, percebi que tudo era uma farsa, eu fazia tudo, eu era meu Coordenador, eu era meus implantadores, eu era todos os funcionário de HelpDesk. Eu ganhava o mesmo salário de todo mundo. Eu era uma farsa, uma mão de obra barata, e por fim, era almejado de cobranças, reclamações, insatisfações, gritarias, nervosismos e por fim e o mais doloroso de todos MENTIRAS.
Foi quando acordei do meu conto de fadas particular, comecei a observar, um homem, pai de família, responsável por um lar, quando enxerga uma possibilidade de proporcionar conforto pra sua família ele se joga de cabeça, se joga com todas as suas forças e quando as energias se esgotam, ele busca uma reserva que nem ele mesmo sabia que tinha pra concluir o que começou e alcançar seu objetivo.

Eu falhei, fui enganado, fui iludido, fui inocente, fui irresponsável, depois de tanto esforço, tantas dificuldades, tantas viagens, tantas saudades, tantos dias sem comer, focado, lutando, almejando o reconhecimento financeiro, a prosperidade, foram sumindo como fumaça, e hoje luto pra voltar a sorrir e primeiro passo foi pedir demissão.

Tenho 30 anos de idade, maioridade legal e amplo conhecimento do sistema, o que me possibilita ir para qualquer lugar e fazer qualquer empresa amar o sistema, lidar com qualquer situação que eventualmente venha acontecer. A grande diferença é, odeio MENTIRAS.

Meu único erro, nos fez perder nosso maior cliente, e pra que entendam o que eu fiz de errado, falei a verdade quando era pra mentir.

Hoje eu estou sim desempregado, hoje eu estou sim arrependido, hoje os mais próximos me cobram um norte, uma profissão. Não sei se estou certo ou errado, mas na minha cabeça eu quero ser livre, quero fazer o que eu quiser fazer, quero poder ganhar dinheiro de diversas formas, quero ser um empresário, quero poder voltar a acreditar nas pessoas, quero vestir a camisa e visualizar resultados, sonhei muito, sofri muito, fui enganado incontáveis vezes. Quero acertar pelo menos uma vez.

Não durmo, não tenho sono, não paro de pensar, pedalo, treino jiu-jitsu, corro, faço tudo pra ficar cansado e ter uma noite de sono, mas os meus pensamentos conversam um em cima do outro eu não entendo nada e não consigo resolver meu problema. Sou pai, sou esposo, sou o provedor do meu lar, voltar a sorrir ? pode ser, quando minha família voltar a ter o conforto que eu sempre proporcionei. Se for solteiro arrisque agora, se é casado você entende muito bem o que estou falando, se é pai me abraça irmão, por que viu muito de mim em você. Coisas de adultos, e assim fecham-se as cortinas e termina mais um espetáculo, trágico e atualmente sem final feliz.


Diogo Hamlet