sábado, 24 de agosto de 2013

Foi dada a largada

Quando o sol se pôs naquele momento, o copo caiu, em pedaços ficou ;
Na sala, fechado, asfixiado, em busca de uma energia meu sonho estourou;
Um pulo no mar da desilusão, um sensação de recordista no nado de costas;
Enterrado de cabeça pra baixo, observando todos os degraus no alto, sem respostas.
 
Mais morto do que vivo, mais fraco do que forte, muito mais sem mais e menos de muito menos;
Foco perdido, confiança rasgada, o silêncio me envolveu não esperava o fim que seria assim;
Colegas sentem muito, amigos choram com você, a família daria tudo pra está no seu lugar;
Responsabilidades, seriedade, juízo, conforto revogado, direitos era tudo que teria que buscar.

Uma vida de dedicação, uma perda sem solução, salvo pelo caráter, livre por princípios defendidos;
Chega! Acorda! Não é hora de reclamar, você tem saúde, uma família e sonhos perdidos;
Quero olhar pra frente, sabendo onde não devo errar, quero correr até sem fôlego me achar;
Ser o que sou, manter o que devo ser, tentar melhorar, se apegar em Deus e tentar não desanimar.

Acordado e de pé, preparei meus próprios planos, seja hoje ou amanhã pode até levar anos;
Lutar pode não ser vencer, mas lutar para não se perder. Vai depender da meta que traçamos;
Chumbado, pés no chão, olhando pra frente, buscando o sucesso, com a lógica racional;
Agradeço os que torceram, agradeço quem tentou, tenho certeza que amigos não têm igual;
Reerguido, focado e muito esperançoso  mais um dia de sol e auto astral, lá vou Eu... Imprensa Nacional.

Diogo Hamlet



quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Indecisão ao decidir?



Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite, queridos leitores e admiradores desse espaço que uso para escrever o que muitas vezes não sei como falar, sou meio ogro com as palavras, mas, me conecto bem com a escrita, aqui grito mais bonito. Hoje eu quero imprimir aqui um sentimento que me atormentou o dia inteiro. Passei hoje por duas entrevistas de emprego, ambas com possibilidade visível de contratação. Então ótimo Diogo, agora você volta a atividade de novo? Não, eu nunca estive fora do mercado de trabalho eu simplesmente não tenho atualmente a carteira de trabalho assinada. Mas sempre estive trabalhando, inclusive deixar de trabalhar na empresa que estava foi uma escolha minha, como alguns de vocês já leram em um texto anterior, é justamente sobre escolhas que queria aguçar nossas reflexões.

A decisão está para o alívio assim como as escolhas, para a nossa vida. O que realça e desenha a nossa existência, é um feixe de grandes e pequenas decisões que formam os quadrantes da nossa história pessoal. A escolha é um privilégio natural que todo ser humano tem.

A escolha é uma realidade intrínseca à nossa existência. Ou, por outras palavras, nós sempre teremos escolhas. Acontece que algumas escolhas trazem consequências com as quais não queremos conviver. Então, escolhemos o caminho menos custoso para nós e depois, num artifício psicológico criado para nos consolar e defender, dizemos: Eu não tive escolha. Errado. Tivemos e sempre teremos escolhas diante de nós, o que nos falta é a coragem para assumir as implicações das escolhas mais difíceis, que nem sempre são as mais prazerosas.

Ultimamente tenho pensado e repensado sobre tentar um concurso publico. É um caminho árduo até chegar à aprovação, é uma jornada de dedicação e abdicação por um período indeterminado, e o resultado pode sim ser positivo bem rapidamente, como também esse processo pode levar anos. É um tiro no escuro. E até onde vale a pena? É preciso muita vontade de querer ser um funcionário publico, quando na verdade, o que todos buscam é não fazer nada e ganhar bem, camuflado e revestido de uma nomenclatura de estabilidade financeira, assim você pode sim fazer tudo o que quiser por que agora você está financeiramente seguro. É uma escolha difícil de se fazer. Eu penso um pouco diferente, e não queria me render a esse sistema, mas infelizmente existem escolhas que nos levam por caminhos mais difíceis de encarar, e volto a pensar e repensar sobre o assunto, há segundos que me empolgo e momentos depois volto a sonhar com a liberdade.

Dada a importância central das escolhas para nossa vida, não seria óbvio que nós tivéssemos todo cuidado com elas? Não seria importante que aprimorássemos cada vez mais o processo de escolher a fim de produzir as melhores escolhas possíveis? Não faria sentido que tivéssemos um grupo de princípios diante de nós a partir dos quais nossas escolhas pudessem ser feitas? Eis aí minha grande dificuldade de aceitar que a única solução pra mim é um concurso publico.

O que realmente importa? Saiba que qualquer escolha, até mesmo as aparentemente sem importância, gera consequências que nos acompanham pelo resto de nossa existência. Por isso, é fundamental que faça cada escolha em sua vida conscientemente, porque elas definirão seu futuro!
Cada vez que optamos por algo, estamos redefinindo nossos caminhos. Cada escolha que faz em seu dia-a-dia o aproxima de seu objetivo ou pode afastá-lo completamente dele. 

Como saber se você está escolhendo certo? Como saber se está se aproximando ou se afastando de seu verdadeiro propósito na vida? Um jeito fácil de saber se está no caminho certo é parar para pensar sobre os motivos que estão por trás de sua escolha. Se o motivo de uma escolha for baseado no desejo de algo que quer fazer para seu preenchimento pessoal indica o caminho certo, se escolheu algo porque acha que precisa fazer isso, por algum outro motivo, ou simplesmente porque isso irá agradar outra pessoa, estará fazendo a escolha errada.

Aqui entra um dos maiores conflitos internos que tenho: tudo o que faço, que penso em fazer ou que sonho, está voltado à minha satisfação pessoal, por que quem faz o que gosta não trabalha nenhum dia no ano, o detalhe é, abro mão do que gosto, forço a mudança do meu desejo para agradar outra pessoa, para oferecer conforto e um pseudo descanso mental quanto aos compromissos financeiros. Abrindo um parênteses (O que é consequência de um país completamente capitalista, que envolve tudo e a todos em um consumo exorbitante de necessidades que custariam bem menos se fosse em outro país.) sem mais.

Ter clareza do porquê de suas escolhas irá contribuir muito para que você perceba o que está por trás de suas escolhas e fará você optar muito melhor. Ter clareza significa pensar a respeito. Será que ajuda fazer uma lista dos motivos que faz você tomar certo caminho e o porquê de cada decisão? A escolha certa é baseada no sentimento feliz que alimenta sua alma. Se fizer uma escolha baseada nesta sensação indica que está no caminho certo. 

Uma escolha certa significa que estará fazendo algo para si mesmo, que irá completá-lo. Ou seja, o resultado de sua escolha será um acontecimento que fará você chegar cada vez mais perto de sua missão na vida, aquilo que te preenche de verdade!  Eu estou simplesmente batendo forte no certo e caminhando para errado, essa confusão está perto do fim? Qual decisão devo realmente tomar?

Não sei...

Diogo Hamlet


quinta-feira, 8 de agosto de 2013

O meu terceiro casamento...


Queridos leitores do blog, hoje eu aprendi um pouco mais sobre relacionamento, Deus tem me tratado de forma muito especial, me mostrado valores familiares que eu realmente não sabia que existiam, confesso que não tive um exemplo de casamento em casa e hoje entendo que faltou instrução no casamento dos meus pais também, de alguma forma sinto que não posso, não devo e não quero permitir que meu casamento não seja referencia para minha filha ou para meus liderados, amigos e conhecidos. 
Meus amigos separados não cansam de me perguntar como eu consegui casar tão novo e permanecer casado até agora em pleno século XXI, com a mesma mulher. Como é possível abrir mão de tanta coisa boa pra ficar preso a relacionamentos onde a rotina cedo ou tarde acaba tomando conta de tudo. As mulheres, sempre mais maldosas que os homens, não perguntam a minha esposa como ela consegue ficar casada com o mesmo homem, mas como ela consegue ficar casada comigo, quem me conhece sabe que nunca fui um exemplo de namorado e muito menos um cara merecedor de confiança para um casamento, esse valor veio pela persistência da minha atual esposa em acreditar que existia uma homem bom dentro daquela criança.

Os namorados e adolescentes românticos,  é que fazem as perguntas certas, ou seja, querem conhecer o segredo para manter um namoro, um casamento, um relacionamento por tanto tempo. Eu particularmente não acho que seja tanto tempo assim,  são apenas 6 anos de casado, (Bodas de Açúcar), mas o que nos conhecem sabem que são 12 anos de relacionamento, sem referencia familiar e sem um manual de como funciona a vida a dois.
Ninguém ensina isso nas escolas, pelo contrário. Não sou um total inexperiente do ramo, como todos sabem, mas, dito isso, minha resposta é mais ou menos a que segue.
Hoje em dia o divórcio é inevitável, não dá para escapar. Ninguém aguenta conviver com a mesma pessoa por uma eternidade. Eu, na realidade, já estou em meu terceiro casamento – a única diferença é que me casei três vezes com a mesma mulher. Minha esposa, se não me engano, está em seu quinto, porque ela pensou em pegar as malas mais vezes do que eu.
O segredo do casamento não é a harmonia eterna. Depois dos inevitáveis arranca-rabos, a solução é ponderar, se acalmar e partir de novo com a mesma mulher, sem esquecer que colocar Deus como o guia é o passo primordial.

O segredo no fundo, é renovar o casamento, e não procurar um casamento novo.
Isso exige alguns cuidados e preocupações que são esquecidos no dia-a-dia do casal.
De tempos em tempos, é preciso renovar a relação. ( Já fui casado com várias mulheres de tipos de cabelos e cortes diferentes)
De tempos em tempos, é preciso voltar a namorar, voltar a pegação, voltar a se vender, seduzir e ser seduzido. 

Há quanto tempo vocês não saem para dançar, cinema, festinha, caminhar, namorar do carro, etc....? Há quanto tempo você não tenta conquistá-la ou conquistá-lo como se seu par fosse um pretendente em potencial? Há quanto tempo não fazem uma lua de mel, SEM OS FILHOS eternamente brigando para ter a sua irrestrita atenção?( Mais da mãe é impressionante).
Sem falar nos inúmeros quilos que se acrescentaram a você, depois do casamento.
Mulher e marido que se separam perdem 10 quilos num único mês, por que vocês não podem conseguir o mesmo? Faça de conta que você está de caso novo. Se fosse um casamento novo, você certamente passaria a frequentar lugares desconhecidos, mudaria de casa ou apartamento, trocaria seu guarda-roupa, os discos, o corte de cabelo e a maquiagem. Mas tudo isso pode ser feito sem que você se separe de seu cônjuge.

Vamos ser honestos: ninguém aguenta a mesma mulher ou marido e que seja namorado ou namorada por 12 anos com a mesma roupa, o mesmo batom, com os mesmos amigos, com as mesmas piadas.
Muitas vezes não é sua esposa que está ficando chata e mofada, são os amigos dela (e talvez os
 seus), são seus próprios móveis com a mesma desbotada decoração. Se você se divorciasse, certamente trocaria tudo, que é justamente um dos prazeres da separação. Quem se separa se encanta com a nova vida, a nova casa, um novo bairro, um novo círculo de amigos. (Tenho amigos que já se separaram, vejo de perto)

Não é preciso um divórcio para ter tudo isso. 
Basta mudar de lugares e interesses e não se deixar acomodar.

Isso obviamente custa caro e muitas uniões se esfacelam porque o casal se recusa a pagar esses pequenos custos necessários para renovar um casamento. Mas, se você se separar, sua nova esposa vai querer novos filhos, novos móveis, novas roupas, e você ainda terá a pensão dos filhos do casamento anterior. Use a criatividade, as vezes não é presente caro ou o melhor lugar da cidade é a atitude.
Não existe essa tal “estabilidade do casamento”, nem ela deveria ser almejada. O mundo muda, e você também, seu marido, sua esposa, sua cidade  e seus amigos.
A melhor estratégia para salvar um casamento não é manter uma “relação estável”, mas saber mudar junto.
Todo cônjuge precisa evoluir, estudar, aprimorar-se, interessar-se por coisas que jamais teria pensando fazer no início do casamento. Você faz isso constantemente no trabalho, por que não fazer na própria família? É o que seus filhos fazem desde que vieram ao mundo.
Portanto, descubra o novo homem ou a nova mulher que vive ao seu lado, em vez de sair por aí tentando descobrir um novo e interessante par.

Tenho certeza de que seus filhos os respeitarão pela decisão de se manterem juntos e aprenderão a importante lição de como crescer e evoluir unidos apesar das desavenças. Brigas e arranca-rabos sempre ocorrerão: por isso, de vez em quando é necessário casar-se de novo, mas tente fazê-lo sempre com o mesmo par.” Com licença, estou em lua de mel...


Diogo Hamlet