quarta-feira, 11 de setembro de 2013

A Certeza do sábio é dúvida


Eu sei que sei trocar as palavras, Não sei se sei interpretar os silêncios!
Eu sei que sei caminhar lado a lado, Não sei se sei é saber como se encontrar!

Eu sei que sei beijar o seu rosto, Não sei se sei é chegar ao coração!
Eu sei que sei apertar as mãos, Não sei se sei é reter o calor!
Eu sei que sei sentir o amor, Não sei se sei é conter sua intensidade!
Alguém sabe como é por dentro? Você sabe sonhar?
Aquela alma em outro universo, Onde a cegueira conversa com falta de audição!
Onde não há entendimento, não há respeito, não há visão!
Onde sua essência se perde, seu Eu morre e outro alguém se satisfaz!

Ei sei que sei que não posso ser o molde certo que se encaixa em você
Só que sei que com flexibilidade e adaptação vou ser mestre em te satisfazer
Nada sabemos da alma senão da nossa, Nada sabemos do coração de olhos abertos
O mundo lhe mostra olhares, gestos, palavras, tudo é uma grande suposição
Ontem eu sabia que saberia, hoje eu sei que sei, amanhã posso não saber como saber
A escada eu soube subir, cada degrau um a lição, o fim não chega, se empurra ou se ajuda?
Sustentação ferrenha, forte, fugaz, frente a frente, fulminando, feliz.
Pós amadurecimento, pré conquista, o sol se põe, fica a dúvida!
Insistir na prova de fogo ou desistir? Vai valer a pena?


Diogo Hamlet