quarta-feira, 20 de novembro de 2013

Dia da Mentalidade Afrodescendente

Aqueles caminhos traçados, nada convencionais;
Ter que seguir obrigado, tratados como animais;
A quem diga que vieram, mas todos foram trazidos;
Enquanto uns estudavam,  outros foram banidos;

400 anos  suficientes para grossa, sua a casca ficar;
A única chance que tínhamos era como escravo trabalhar;
Hoje com estudo e trabalho temos tudo que imaginar;
Oportunidades pra isso? Vão sempre negar?

Ícones do Brasil são exemplos de heróis de sucesso;
Entre milhões de bem sucedidos existem cotas no processo;
A luta é a igualdade social, viver pobre preso ou morto já cultural;
A discriminação camuflada é mito, atitudes racistas é natural;

Olhe a sua volta e sinta melanina passar, existem escurecimentos?
Olha a afronta mestiço!! Limpeza, segurança, obras e estacionamentos;
Dominamos o mercado da falta de oportunidades, porque somos iguais?
Troque um dia, viva igualdade que tanto defende, viva as cotas sociais?

O mundo escurece, o encrespamento é constante,  se assuma.

Agradar a todos, ser contra o 20 novembro... Porra nenhuma!!!

Diogo Hamlet

quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Inconstância vs Convivência

Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite, como tem passado? Espero que bem, em meio a muitas mudanças não tenho tido muito tempo de escrever no blog e hoje eu resolvi falar de um assunto um tanto quanto relevante, pelo menos pra mim. Estou em um fase da vida que falo menos e observo mais, com todas essas observações percebi que pessoas sentem necessidade de serem valorizadas de alguma forma, ou pelo seu estilo, ou por serem inteligentes ou por pelo menos acharem que são, ou pelo o que adquiriu, ou pelo trabalho que tem, ou pelo a formação que tem, ou pro falar outra lingua. O que mais me impressiona é que passei muitos anos em busca desse pseudo status de valorização usando o argumento de que não ligo pra isso, que isso não tem importância. Quando na verdade tudo o que os seres humanos mais querem é justamente ter uma vida que seja invejada por outras pessoas, é claro que você não pensa assim, nunca sentirá inveja de ninguém por que você pode chegar lá, basta estudar, basta correr atrás e ganhar muito dinheiro, mas quem instituiu o “Lá”, todos dizem: “Um dia eu chego lá”, aonde? O que é chegar lá? Quem está lá? Você não usaria a palavra inveja, mas tem muita vontade de chegar onde alguém chegou e esse lugar nunca tem fim, por que sempre haverá alguém do “Lá” que vai te fazer queria mais “pra Lá”.
O que me incomoda é que comecei a gostar mais de viver quando descobri que o bonito e prazeroso da vida está no simples. Ser simples é característica pobre em uma sociedade hipócrita, erra quem pensa que querem ter uma vida como a sua. Erra quem quer ter uma vida igual a de alguém, somos tão diferentes, olhe a sua volta e veja a quantidade de pessoas diferentes, com características, pensamentos, rostos, corpos, mãos, olhares, sorrisos, personalidades, vidas... Todos são completamente diferentes em vários outros aspectos, se cada um se preocupasse em fazer a sua história em sua trajetória terrena, com certeza estaríamos vivendo em um país melhor, em um mundo melhor. Que tipo de história você quer deixar para próxima geração? Pelo o que você quer ser lembrado? Quem vai contar sobre você? Você pode dizer que não quer ser lembrado, que não faz questão disso o fato é, que todos já ouviram falar dos seus antepassados, todos tem alguma história pra contar de um avô, tio, primo, bisavô, então querendo ou não alguém vai falar sobre você e o que seria? Consegue imaginar?
Refletindo sobre essas coisas é que passo a observar mais, escutar mais, aprendo mais e tento todos os dias ao acordar ser uma pessoa melhor. E aqui é onde entro no título desse texto, no dia a dia convivemos com pessoas que se pudéssemos escolher com certeza não seria coadjuvante de sua vida e talvez plateia e na última fileira perto da porta de saída, por que não merecem sua atenção, não merecem sua presença, não merecem seu sorriso, seu olhar, é um tanto quanto radical escrever essas coisas? Sim, mas são pessoas imprevisíveis no mal sentido da palavra, variam de humor, grosseiras, carrancudas, todas as características que te fazem pensar duas vezes antes de falar com ela, você nunca sabe como e quando ela vai te responder.  Como agir com essas pessoas? O que fazer? Às vezes são pessoas da sua família, às vezes são pessoas da faculdade, e quando são pessoas do trabalho então é que complica, por que você precisa conversar, precisa receber ou demandar trabalho e aí? A pessoa é inconstante e existe uma obrigatoriedade de convivência, ainda que mínima, existe, não tem como você ser total profissionalismo o tempo todo, em algum momento você conversa sobre outras coisas, até mesmo por que você passa maior parte de seu tempo com essa pessoa, as vezes mais tempo que com sua própria família. Depois que me deparei com situações desse tipo ao longo da vida resolvi mudar, primeiro parei de ser o inconstante. É! Meus amigos eu fui assim por um bom tempo essas pessoas insuportáveis que citei acima, em 2011 foi que resolvi mudar radicalmente quanto a isso, procurei ajuda e percebi que é simples, um sorriso ou um fazer sorrir, mata tudo e qualquer mal humor, seu ou de quem está mal humorado, falar o menos possível sobre outros, faz com que você escute bem menos sobre você. Feliz com meu atual e novo jeito de ser. Agora vejo meu “ex-eu” em outras pessoas e minha paciência é bem ponderada, porque já fui assim e sei que para uma levada mínima de pessoas há salvação. O que eu faço hoje pra lidar com essas pessoas? Ignoro o máximo que puder, falo quando não há opção nenhuma de mímica, mensagem ou bilhetinho, sou observador e sangue frio pra esse tipo de personalidade, quem me conhece sabe que sou totalmente entregue, sorridente e extremamente brincalhão. Mas dentro do espaço e limite de cada um. Minha maior dificuldade hoje é tolerar inconstâncias sem que afete a minha visão sobre a pessoa, na maioria das vezes ignoro como se não existisse, posso está errado, mas com tudo que já passei na vida, algumas situações exigem atitudes radicais, para que se continue na sua paz tão conquistada. Sou de poucos AMIGOS por que nunca fui um bom colecionador de hipócritas.

Diogo Hamlet

Metamorfose Relacional

Será? não sei, mas quero está presente pra ver 
Não me é disponível a chance de dizer Adeus
Só consigo me ver assim, perto de você 
Desistir sem tentar, tentar sem sacrifício 
Acho que o tal do amor acaba, ahhh mas acaba sim
Então descobri que existe como carrega-lo novamente
Sabe como? Vivendo e Honrando o que escolheu pra você
Quando um não quer o outro insiste e quando enfim se cansar
vai descobrir que é tudo mentira, quando os dois querem
verdade seja dita, existe luz no fim do túnel
Telma sempre foi Telma por isso virou Hamlet
Parei pensei, desisti, mas tentei, foi assim
Hoje o brinde é a perseverança, a vida a dois
Ao nosso amor desejo que seja tão intenso,
que suporte a rotina inevitável…
Que seja como o céu… Imenso…
E não veja no outro os defeitos insuperáveis.
Que seja este sentimento muito forte…
Para que cada dia apague uma agonia.
Que saiba navegar para o norte
Quando ao sul apresenta-se com ventania.
Que com o passar do tempo
Seja cego para que não veja tudo
Que possa com sabedoria como o vento
Varrer com força e para longe o luto
Que dois sejam sempre um
E que um possa ser sempre dois
Para que assim o gosto amargo do rum
Apague o gosto do feijão com arroz
Que sejam os dois quando necessário
Surdos, mudos e cegos
Pois só assim ambos solidários
Não ferirão ferozmente o ego.
Desejo a nós, muita paz, amor e saúde.
Eu te amo, pelo que é, te amo mais ainda pelo o que será
Missão dada Phozinha é missão cumprida.


Diogo Hamlet