segunda-feira, 23 de junho de 2014

Pra cima deles Professor


Bom Dia! Boa Tarde! Boa Noite! Bem amigos da rede mundo, estamos mais uma vez ao vivo direto do jogo da vida, onde em campo estão os que querem viver e que fazem toda a diferença com essa oportunidade. Escalado para essa partida está um dos jogadores que mais admiro, que sempre entra em campo com o foco na vitória de uma mensagem transmitida com integridade e fiel ao acontecimento com um talento inigualável.

Na partida de hoje fui escalado para acompanhá-lo, em um dado momento do jogo ouvi: “Estou aqui com o Diogo, ele é um poeta, está no emprego errado, ele ainda não sabe mas é um poeta”. Nesse momento um sonoro grito da torcida. Na arquibancada da minha vida o estádio tremeu, um simples gesto de um profissional exemplar, de um cara que admiro muito.

Fui remetido às visões e sonhos, por alguns longos passos, perdi a noção do tempo e espaço. Joguei a bola pra escanteio e cavei uma falta, pra ganhar tempo de digerir, me alimentar, absorver, enxergar... Acredito que com o trabalho que desenvolvo, consigo atender aos anseios dos leitores que, muitas vezes, não esperam por determinada informação, mas que de certa forma agrega positivamente ao cotidiano, e aos que entram em contato e entendem um tema muitas vezes de seu interesse. E assim, como em cada texto, enfrento os obstáculos que surgem na tentativa de conseguir uma narração de um jogo. É complicado, observo o protagonista, centro avante, artilheiro, escalado há anos, um especialista conceituado, com as exigências nos detalhes, que luta contra a falta de tempo e os dead lines cada vez mais apertados. Em meio a sorrisos, piadas, loucuras, vídeos e muita concentração, vejo a construção de textos tão fascinantes que a cada vírgula, ponto ou exclamação, sou capaz de enxergar o roll do meu conhecimento subindo mais um degrau. Enfim, nada supera o contato com o factual, com o que está acontecendo “aqui e agora”. Acredito que essa fase pela qual estou passando é apenas um degrau que tenho que alçar para fornecer um excelente alicerce para o que está por vir. 

A jogada é friamente calculada, cada lance é uma chance de gol, ir para o campo com ele é ter a certeza que os detalhes podem ser perdidos, mas sempre serão vistos. O Cruzamento perfeito, 49 minutos do primeiro tempo, acréscimos dados pelo o juiz, ele lança a bola com um chute de fora da área, o expectador observa, cada detalhe, cada palavra dita, cada imagem. 

Gooooooooooooooooooooooooooooolllllllllllllllllllllllllll, sem chance para a concorrência, no ângulo. 

Ser jogador é algo muito gratificante. Independentemente do campo ou do veículo, são agentes sociais e tem o dever de transmitir informações para a população. Somos prestadores de serviço e essa é uma função fundamental na atualidade. Espero no segundo tempo corresponder as expectativas, foi muito gratificante ter a chance de entrar em capo mais uma vez com esse atleta da comunicação, jogador do jornalismo, inspiração. Tanto tem me ensinado e tanto tem a me ensinar, que só tenho a agradecer.
Obrigado Professor, Obrigado Carlos Capelli.

Diogo Hamlet

domingo, 15 de junho de 2014

Dias dos Namorados #deontem

Nos intervalos de um dia trabalhoso, vi declarações e o rasgar dos corações
Vi! Ohhh se vi! casais jogando aos 4 ventos, momentos, sentimentos, paixão,
Sem tempo, sem o momento, seria o dia perfeito, futebol, alegria e entretenimento, se eu estivesse lá.
Não poder está presente, insistente, diferente, só tive como pensar e no pensar:

Ah! essa Mulher, essa namorada, essa amiga
Que me toca os lábios, como toca um beija-flor, no jardim, as flores,
Me arrepia despertando antigos e novos devaneios, lembranças de momentos... e que momentos. hummm.
De mãos no seu corpo tenho longos passeios. 

Ah! essa Mulher, essa namorada, essa amiga,
Que me cobre de beijos, que deixa seu perfume exalando sentimentos, embriagado, conquistado, hipnotizado pelo seu cheiro.
Expõe minha fragilidade e resistência, exatamente na hora que o vento traz o efeito daquele sorriso, imprevisível, inominável, meu, só meu.
Como se fosse um quadro de um célebre pintor, e a mira com olhos de sol coruscante, incendeia a tela com seu fogo sagrado, remexe a larva, no fundo, adormecida, do vulcão dos meus profundos desejos, fazendo explodir em mim o homem pleno, o amante ardente de gestos delicados, que pouco se importa com os espinhos, que tentar rasgar esse amor, monotonia rotineira viciante da vida a dois, a três, a quatro. Ops, melhor parar.
Quero para sempre, ser a dono dos seus carinhos, ser esposo de vossa excelência, quero ser o motivo do seu respirar, ser o aquele que te faz viajar, nos mais profundos sonhos, nos mais perfeitos sentimentos, no mais lindos momentos, eu quero ser...

Ah! Essa Mulher, essa namorada, essa amiga.

Diogo Hamlet

terça-feira, 10 de junho de 2014

O apego a cama de solteiro

Recentemente fui presenteado com um amigo, não um amigo como qualquer outro, um cara sensacional, fino, sincero, de um coração fantástico, tanto talento e personalidade em um tabuleiro de xadrez causando uma confusão existencial de um verdadeiro jogador de damas, acostumado a comer pedras de seus adversários se encontrou em uma situação complicada, onde pela a primeira vez encontrou na brecha que a vida raramente dá, uma oportunidade de sair do mundo tão, tão, distante para entoar canções na janela de um castelo, residência de uma princesa rara de valores inestimáveis, com uma superioridade gigantesca em relação a sua pessoa, uma união típica de roteiro de filme: ENCONTRO DE AMOR(MADE IN MANHATTAN).

É de senso comum a jactância da superioridade intelectual dos homens sobre as mulheres. Porém, esse fato, não é o que observo no apagar das luzes. Enquanto vemos homens se descerebrando, mulheres auferem quociente intelectual, num terreno outrora possessão unicamente masculina. Descolamento bastante desenvolvido que é a capacidade de assumir as próprias escolhas independentemente de cobranças sociais.
Sucesso na carreira, elas são tão formidáveis na carreira, que chegam a intimidar os homens por sua competência e ousadia. Porém, sucesso no trabalho pode significar azar no amor.

Imagine, ambos em um bate papo informal quando de repente acabou o assunto, todas as vezes quem puxou o assunto foi ela, em um dado momento ela espera que ele desenvolva algo interessante de se prosear, o que não acontece e na maioria dos casos, mulheres com essa postura se frustram ao perceber que ali pode está a sua frente mais um homem intelectualmente inferior a seu atual nível de teor psíquico.
Restrições no relacionamento, você acha sinceramente que uma mulher inteligente se enrabicharia num homem burro? Opa, desculpem, eu quis dizer homem menos estudado, digamos assim. Como o mundo masculino é povoado por bestas masculinas ao quadrado, em eterna disputa pelo troféu de macho procriador, restam poucas chances deste tipo de mulher encontrar a sua cara-metade na quintessência do infinitésimo universo dos Homens Inteligentes. Sensibilidade artística altamente desenvolvida mulher inteligente tem o gosto apurado por artes plásticas, teatro, música erudita, poesia, literatura, vozes em rádios, carisma etc., que aumenta proporcionalmente ao descolamento.

Densidade cultural um ser que consegue tergiversar tanto sobre as minúcias dos mais recônditos contrapontos da balança intelectual e pegada de um Ogro, quanto glosar as sutilezas da prosa de William Shakespeare, merece ser ouvida ao longo de uma mesa de mogno sob a regência de um puro-sangue.  
Autonomia sexual a mulher inteligente sabe tomar as rédeas e, portanto, ela sai em busca da sua satisfação. O homem menos inteligente moderno tem a psique absolutamente colocada ao seu corpo, ao ponto de repaginar o velho adágio bíblico “da academia nasceste e na academia morrereis”. Músculos altamente desenvolvidos cultivam o intumescimento e delineamento de bíceps, peitorais, dorsais, oblíquos e naturalmente a granítica barriga de tanquinho. Doses razoáveis de testosterona sintética no sangue apesar de todos eles negarem até a morte o uso de anabolizantes e verberarem veementemente contra o uso de drogas. Camiseta regata sobre os peitorais a coroar uma vida vazia dedicada à aparência, o vestuário deve moldar as protuberâncias musculares e as reentrâncias delineadas pelo reduzido índice de gordura corporal. 


O aparecimento do homem padrão industrial, como pode ser constatado. Assim, diante de tanto metrossexualíssimo barato e tantos corpos sarados e descerebrados, como se dão as Mulheres Inteligentes? Segundo suas textuais palavras “achar homens que vão além de um mero feixe de músculos é tarefa cada vez mais quixotesca”. Por isso, não me admira encontrar muita Mulher Inteligente encalhada ouvindo melancolicamente músicas internacionais, em um barzinho rodeadas de amigos gays que a diverte como nenhum homem jamais conseguiu, fugindo dos pensamentos que insistem em adentrar à quintessência do Homem Inteligente. Se você quer virar um Homem Inteligente da noite para o dia, nunca é tarde, lime o seu intelecto sob os eflúvios sonoros da magnificência exacerbante da maturidade e caminhe de forma que sua parceira não precise te puxar tanto ao perceber que a caminhada pode ser mais leve e novamente cheia de assuntos. 
A mulher deve reverter o quadro da vida de um homem se acreditar que no meio de muita “ogratividade” existe um ser que apaixonado pode te fazer feliz, mas tão feliz que se comparado ao seu intelecto, há relevâncias plausíveis e suportáveis.



Diogo Hamlet

domingo, 8 de junho de 2014

Nem tudo está perdido

Domingo, sol, trabalho. Normalmente, auxiliar ascendente, rotineiro, o que seria comum, transformou meu dia inteiro. A degustação de momentos marcantes, tatuam na alma situações inesquecíveis, a cada olhar um segundo do novo, a cada cena apresentada no espetáculo da vida, um aprendizado, hoje envolto a energias positivas, tive o prazer de participar de uma oficina intensiva sobre vontade de viver.

Isadora, 13 anos de vida, 3 meses de leucemia e uma bagagem extraterrestre de alegria. Mãe, Filha e Neta incontestavelmente elevadas a um nível racional de realidade, amor, companheirismo, fé, união, mulheres humanitárias. 

  
Enxergam a doença que em sua grande maioria ceifou milhares de vida, com o entusiasmo e determinação que assumiram um ato digno de nota, uma exaustiva e insistente maneira de demostrar que a leucemia por si só, já tem uma carga extremamente negativa e a única forma de vencer é diariamente, repetidamente, euforicamente sorrir, só por hoje vou lutar. 


“Vou lutar e vencer, vou plantar e colher e a cada dia vou viver rompendo em fé...” 

Três mentes abertas, três mulheres vaidosas, três pessoas inteligentes, três cabeças raspadas, atitude radical, rasgando a vaidade feminina, se expondo a olhares  preconceituosos e subjugados, adultos desviando o olhar, crianças apontando. 

E as cabeças brilhantes das mulheres fascinantes levaram ao hemocentro São Lucas mais de 150 doadores de sangue, não só conseguiram a doação necessária para Isadora, como envolveram outras pessoas favorecendo-as com essa corrente do bem, uma adolescente, estudiosa, com uma vida pela frente, com um histórico de vitórias relevante, fez de um plantão corriqueiro, uma palestra motivacional, onde aprendi que existem situações que aparentemente poderiam ser piores e se tornam muito mais fáceis quando existe AMOR. 


Diogo Hamlet

Dia de Trabalho

[Celular Desperta] Exaustão, pique, desanimo, adestramento cognitivo, o sol raiou e se inicia um sonoro Bom Dia! A equipe tá pronta? Hoje você vai sair com a equipe completa. Acelera aí gente, a cidade está “bombando”, Lest’s Go. A saída, a largada, a correria, o tempo é curto, não há como prever, não quero definições exageradas, falar, dizer e me explicar como se eu fosse a própria resposta. Não vou perguntar apenas para aparecer antes dos outros, que também perguntam, é a busca da exclusividade do ponto que passou despercebido, fiz o meu, faço o meu e vamos embora, o tempo cria pontes que precisam ser respeitadas. A disputa começa do alto, quase nunca percebida por baixo. É balbuciar como se conhecesse. É estar da forma como todos já estiveram, na mesma posição. Prefiro o silêncio ao excesso. Eu quero ouvir. Quero muito te ouvir. Exatamente no momento em que o plano começa a virar sequencia eu observo a passagem, do texto, do tempo, da vida. 

E já que ser Jornalista, Cinegrafista, Auxiliar, me deixa ver você atuar. O cabelo, a forma como sorri. A bochecha enrugada, as mãos que não se aguentam esticadas. Municiada de áudio, apurada com a certeza do que faz, imparcial, experiente, admirável. Me faz calar. Conta a sua história, sem pressa, pode vir, é a transição da informação. Mostra as fotos, aquelas que ninguém vê, nem você. Diga sobre alguém. Compra um café pra gente. Eu quero ver se você prefere o forte ou pingado. Durante a preparação da bebida, eu vou torcer para o seu telefone tocar. Quero saber como você fala com a sua família. Se tem carinho pela filha ou sente falta do cachorro. Prepare as torradas, estou curioso para ver se você coloca queijo em cima delas, é admiração que começa de dentro. Não deixe-me distrair pela TV, pelos clichês e por aquilo que eu não quero ser. Me faça ser mais, corrija-me se eu te ofender. Eu não vou te interromper ou tentar entender o que é autoexplicativo. Prefiro perder a discussão a falar para te conduzir. Permita-me sentir à vontade para ficar. E para perguntar quando suas explicações exclamarem por uma voz. Se você é o entrevistado(a), eu serei apenas eu. Da melhor forma que consigo ser. Não sou Jornalista, não sou Cinegrafista, não sou Auxiliar, sou expectador, TELExpectador do dia a dia da informação, da vida sem direção, do momento de estar no AR. [Chama uma imagem] já dizia o TP... Fim do expediente, Fim do VT.

Diogo Hamlet

segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

Amar pra que, se eu Te Amo?

Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite e aí galera como estamos? Espero que todos estejam muito bem. Estou finalmente de férias, curtindo uma praia, acho que todos merecem isso, pelo menos uma vez no ano, até mesmo porque, esses passeios são renovadores. Nesses 4 dias que estou aqui, observei várias pessoas, observei uma amiga que não via há anos e misturando trinta mil coisas que passam pela a minha cabeça, resolvi vir aqui tentar canalizar esses perturbadores pensamentos em um texto. Vamos lá. Hoje ouço o barulho do mar atrás de mim, inspirador e  intuitivo sinto em falar ou só  tentar falar sobre o que não tem explicação mas tem formas e formas de encara-lo, para que pelo menos tenham noção do que ele realmente pode ser, quando envolvidos estão, pessoas maduras que sabem o que querem. Amor, meu Amor, grande Amor você é foda. Amamos ou não Amamos? Posso escolher? Será meu Deus?

Amar não é pra qualquer um. Amar exige tempo, exige abrir mão, existe dedicação. E nem sempre se quer doar tempo, abrir mão e se dedicar a outra pessoa. Há pessoas que simplesmente não sabem amar ou não querem amar.  Acham amor um fardo muito grande, pesado, sofrido e arriscado demais. Direito delas??? Daqueles que não amam, há dois tipos.

O primeiro deles é aquele que já amou antes. Geralmente, esses são do tipo que se jogaram de cabeça, deram mais do que deveriam dar, colocaram o outro num pedestal. E, fatalmente, se decepcionaram. Porque o amor tem dessas coisas, é preciso estar preparado pra cair. Cair de cara. É como o artista que, depois do auge, tem que estar preparado para despencar. Poucos tem o privilégio de se manterem no topo durante a vida toda, o universo, geralmente não permite. Tem que haver espaço para os novos, para os iniciantes, para os cheios de motivação. E aí, é preciso se contentar com os 5 minutos de fama. Ou morrer de dor. Esse tipo dos não amantes aos quais me referia, provavelmente morreram de dor. Amaram demais e não estavam prontos para a queda, não aguentaram sentir o prazer dos cinco minutos de amor e ter que abdicar disso. E, decidiram então, não amar mais.

Oferecem seu perdão, tentam novamente mas com moderação e muita restrição, isso não ajuda na mudança, não ajuda no crescimento e não ajuda você a voltar a amar incondicionalmente o trauma e o medo de sofrer novamente só faz com você, exatamente o que você tem medo, por que ninguém tenta uma vida inteira ser amado, como ninguém tem uma vida inteira amar. Faça o balanço de como tem levado seu relacionamento. Salve-o enquanto possível. Amor em sua grande maioria é fortalecido na troca.

Há também os que já sacaram que essa coisa de amor não era para o bico deles. Viram, observaram, refletiram. E decidiram fazer outra coisa da vida que não fosse amar. Respeitável. Só que, não querer amar, não implica em não se envolver em relações pessoais. Relações, digo, no sentido original da palavra. Porque, nesse sentido, a partir do momento em que você começa uma conversa com alguém, está se relacionando com a pessoa. Os não amantes dessa categoria, geralmente gostam de se relacionar, mas não querem amar. Param sempre antes desse ponto. E machucam, mesmo que sem intenção. Porque, acredito eu, que a maioria deles não tenha intenção de sair por aí magoando pessoas, mas é que é difícil encontrar pessoas do mesmo time, que querem apenas viver o lado bom dos relacionamentos que vem antes do amor. Difícil recriminar os que fazem essa escolha. Porque, como disse antes, o amor pesa, machuca, exige, dilacera. E tem um lado bom que da pra viver sem necessariamente amar. Boa companhia, é uma delas como é bom ter alguém pra acompanhar os momentos bons da vida, afinal, as experiências, quando vividas sozinhas, perdem um pouco da graça. A graça maior está em compartilhar. E, pra isso, não é preciso amor. Sexo é outra coisa. Por que, por mais que confundam, sexo bom não é aquele feito necessariamente com amor sexo bom, requer intimidade. Não me julguem por essa afirmação, de fato na hora do sexo precisamos de intimidade entrega total, sentir que naquele momento nos tornamos uma só carne, é feita uma ligação eterna entre os dois corpos, e magico é lindo, é inesquecível. Mas ele pode ser feito sem amor, com certeza. Existem casos que são encarados naturalmente e outros casos em que infringi princípios religiosos, ambos devem ser respeitados e não quero entrar no mérito dessa questão. Voltando. Até pra dormir de conchinha, não precisa amar, todos sabem disso mas é um escândalo abordar esse assunto dessa forma, se falando assim é liberar todo mundo pra dormir de conchinha, não é bem assim, existe muito sentimento e intimidade pra isso, não “sexualize” essa afirmação. Basta ter um outro corpo, aconchegante, fazendo o encaixe e trocando calor. E tem pessoas que, simplesmente, fizeram essa escolha. Recriminá-los, seria como recriminar aqueles que escolheram não ter filhos ou continuar morando com os pais depois de velho. É uma escolha pessoal.

Se as pessoas não recriminassem tanto os que não querem amar, poderiam obter deles uma relação proveitosa e até feliz, mesmo sem amor. Mas, como não se pode falar, que não se quer amar, os que fizeram essa escolha geralmente não se abrem, vão indo nos relacionamentos até que, quando percebem que o amor vem surgindo, somem, desaparecem, inventam qualquer desculpa  do tipo "estou indo pro Japão a trabalho." E colecionam filas de corações quebrados, de lamentações, de questionamentos do tipo “o que eu fiz de errado”. Na verdade, você não fez nada de errado. Apenas, descobriu tarde que as intenções de vocês não batiam. É como o cara que é louco por filhos mas que se envolve com uma mulher que quer ter 10 cachorros invés de pupilos correndo pela casa. Nada de errado, apenas conflito de interesses.
Mas como na vida o livre arbítrio é sempre defendido  mesmo que nem sempre, respeitado  me reservo o direito de dizer que acho que a vida vale muito mais a pena quando existe amor.

Amor daqueles quentinhos, de aconchego, de conforto. Sou um viciado em amor. Amo pessoas que nem conheço. Amo cachorros de raça (Deixo claro, é uma escolha minha fazer acepção de cachorros vira-latas, me desculpem). Amo fotografias e os registros que podemos fazer com ela. Amo, porque sou viciado nos efeitos que só um amor, daqueles bem profundos, propiciam. Já cai, chorei, morri de dor por amores. Mas, no final, sempre achei que o sofrimento valeu a pena. Obviamente, não no calor da dor, naqueles dias em que se acha que tudo está acabado e quando o próximo sorriso parece ser a coisa mais utópica do mundo. Mas ele sempre vem. E, junto com o retorno do sorriso, vem sempre a vontade de amar de novo – porque, quem sente uma vez, dificilmente consegue largar o vício. Existem os casos em que fui eu que causei a dor e nesse caso mais específico, estou do outro lado, é impossível quem percebe que fez alguém sofrer ignorar totalmente o que a outra pessoa sente, mas de uma coisa você pode ter certeza, se optar em consertar, sua vida nunca mais será a mesma, exceto os casos em que há um perdão genuíno e uma nova história é construída. Independente de sua escolha, saiba que eu a respeito, mas a minha opção ainda é amar. Até quando? Sei lá.



Diogo Hamlet

segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Cardápio na tela

Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite...E aí meus amigos seguidores do blog, como tens passado? Espero que estejam todos bem. Hoje eu não acordei com tanto vigor como de costume uma gripe que a muito tempo não me visitava resolveu aparecer e então estou um pouco indisposto, mas ainda assim podemos exercitar a mente e vir aqui de alguma forma trocar experiências sobre todos os temas relacionados a relacionamentos em geral. 

Um dos assuntos mais abordados e inseridos na sociedade hoje é o relacionamento “extraconjugal”, o “namorar várias mulheres”, o “pegar geral” e o famoso “sexo sem compromisso”, tema esse que naturalizado em todos os meios de comunicação, passam a ser encarados com tanta normalidade que o ser humano já o faz, sem nenhum peso na consciência. Todos são fadados a trair e a serem traídos seja, em namoro, noivado ou casamento, seja no começo, no meio ou já quase no fim, até mesmo por que com esse pensamento e atitude com certeza vai ter um fim, "você não tem como fugir disso será traído(a)." recentemente ouvi esse termo colocado exatamente dessa forma e com uma convicção redundantemente convincente. Em uma particularidade bastante íntima, abro pra vocês que já traí e já fui traído, quem teve a oportunidade de me acompanhar desde a adolescência sabe do que estou falando. Bom, me arrependo de ter feito pessoas sofrerem, me arrependo de ter escolhido a pessoa errada pra descontar nela o que fizeram comigo, me arrependo de não ter dado valor no relacionamento que futuramente mudaria minha vida. Me arrependo de não tido coragem de ser homem o suficiente pra dizer "eu te traí."

Sempre que me perguntam sobre fidelidade, inevitavelmente surge aquele velho argumento: mas por que eu seria fiel se nada me garante que o outro não está me traindo?... Essa é, sem dúvida, uma grande verdade. Jamais teremos certeza e nada pode nos garantir que a outra pessoa não vai nos trair, que ela está sendo fiel. E isso me faz lembrar de uma história:

Todas as manhãs, a caminho do trabalho, Isaque e seu amigo passavam pela padaria do Sr. Guerra. Ao pagar pelo seu pãozinho, Isaque sempre agradecia com um sorriso nos lábios e desejava ao Sr. Guerra um bom dia! Como resposta, recebia sempre o mesmo silêncio e a mesma carranca. Certo dia, seu amigo lhe perguntou:

- Isaque, por que você insiste em desejar bom dia ao Sr. Guerra e tratá-lo de forma tão amável se ele é sempre grosseiro e sem educação?

E então, sabiamente, Isaque lhe respondeu:

- Simplesmente porque não quero que ele decida como eu devo agir!

Creio que essa seja a melhor e mais sábia justificativa para a fidelidade. Ser fiel é uma escolha pessoal; não pode depender da atitude e da escolha do outro. Ou você é, ou você não é!
Obviamente, levando em conta que ninguém é perfeito e que todos nós estamos sujeitos aos equívocos, podemos escorregar. Mas o que defendo aqui é a postura de cada um. O que você considera certo e errado? O que é característica sua e o que não é?

Considero como verdade absoluta a seguinte assertiva: Não faça ao outro o que você não gostaria que fizessem a você. Esse é um clássico do mundo Clichê, independente disso creio que raríssimas pessoas diriam que não se importariam se fossem traídas. Assim sendo, não consigo entender porque tantas pessoas insistem em trair. Existem aqueles que se transformam em pessoas que fazem uma opção, manter um relacionamento aberto, que na minha visão periférica inofensiva, significa que você quer trazer a traição pro seu relacionamento usando a promiscuidade mascarada de evolução da vida a dois, me poupe.

Talvez, o fato não deveria ser encarado a partir da atitude: trair ou não trair; nem tampouco a partir da vítima: ser ou não ser traído. O fato deve ser encarado a partir de quem o praticou. Isto é: você é ou não é um traidor?!?
Pode ser que a questão colocada desta maneira pareça acusadora demais, no entanto, acredito que por trás dela exista um sentimento mais profundo e importante que deveria ser levado em conta: a compaixão.
Compaixão é um sentimento em extinção. Significa ser capaz de colocar-se no lugar do outro e conseguir sentir a dor que ele sente. Se pudéssemos fazer isso sempre, aposto que as atrocidades da vida diminuiriam consideravelmente. Especialmente a traição. #fato

Considero traição tudo aquilo que é combinado entre duas pessoas e uma delas não cumpre. Ou seja, se você, no seu relacionamento, assume a postura de estar só com aquela pessoa, supõe-se que você se sinta capaz de cumprir esse acordo. Caso contrário, deveria ser sincero o bastante para admitir que quer ficar com outras pessoas toda vez que sentir esse desejo, assumindo o risco de perder a pessoa que gosta. Quem paga esse preço? Ninguém né.

De qualquer maneira, independentemente de qual seja a sua escolha, o fato é que a verdade é sinônimo de fidelidade. Se a sua verdade vai ser aceita ou não, essa é uma outra questão com a qual você terá de lidar. Mas ser fiel é, acima de tudo, assumir somente os compromissos que se julga capaz de cumprir. E caso não consiga, independentemente dos seus motivos, o mais correto é não enganar e não mentir, ou melhor, ser sincero e contar ao outro que você quebrou o acordo. Vai doer, vai. Vai ser horrível, vai. Terá uma mudança radical na sua vida, sim terá. Mas manterá sua integridade intacta, será homem suficiente pra terminar antes sentenciar uma pessoa que por um determinado tempo se dedicou falha ou não a você.


Saber lidar com as consequências de seus atos pode demonstrar uma grandeza admirável, uma coragem que poucas pessoas têm. Além disso, ser absolvido diante da confissão é bem mais fácil do que ser perdoado diante da mentira e da tentativa de ludibriar a pessoa amada. Isso machuca muito mais, isso vai aos poucos minando o relacionamento e o pior você tem consequências árduas que podem lhe custar uma vida infeliz.

Enfim, caio novamente numa frase que escrevo sempre: a vida é feita de escolhas! Imagine que a vida fosse um grande e requintado cardápio, repleto de deliciosas opções. Todos nós, apreciadores do prazer, podemos ficar em dúvida e titubear antes de fazer o pedido. No entanto, teremos de fazê-lo, abrindo mão das demais opções, se quisermos desfrutar o sabor. 

Quando vejo pessoas se dizendo fiéis, mas traindo a pessoa amada, imagino-as como se estivessem num belo restaurante, com o prato que escolheram bem a sua frente, você sentindo o cheiro maravilhoso que ele tem, mas que de tempo em tempo, levantam-se da mesa pedindo licença para irem até o toalete e, enganando a si mesmas, correm até a cozinha se escondendo para não serem vistas e roubam colheradas de outros pratos, engolindo rapidamente e voltando correndo para seus lugares.
Resultado: não saboreiam nem o que está à sua frente e nem o que está na cozinha. E ainda se acha o espertinho. Perdem o sabor peculiar de sua escolha e não sabem aproveitar de cada opção o melhor que poderiam! Perdem a oportunidade maravilhosa de degustar o indescritível sabor do amor, porque não sabem que esse prato pede sensibilidade e entrega para ser apreciado de verdade...

E quando chega a conta, pagam caro e certamente continuam com fome!

A minha escolha é um julgamento de quem fui, misturado com a pessoa que quero ser, nunca terei crédito em uma sociedade que exige perfeição. Nunca serei um exemplo a ser seguido por que um dia eu errei. Um dia eu traí e estou condenado, assim como um viciado em drogas, que todos os dias luta para não usar novamente, é assim que sou visto, qualquer aproximação do sexo oposto é uma possível traição, por esse motivo não aceito que ninguém me diga como eu devo viver, essa é minha escolha essa é minha dieta, no meu cardápio só tem uma opção (Telma A. Martes Gomes) ao molho pardo, é assim que desfruto da vida, e é assim que vai ser, gostem ou não, esse sou Eu. 

Diogo Hamlet

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

O Infeliz e Arduo Autruísmo

E aí galera bom dia, boa tarde, boa noite como estamos? "Ano Novo, Vida Nova", quantos de vocês não escutaram essa expressão? Tenho certeza que quase todos, só que algumas pessoas não aplicam isso na vida e quem dera se não aplicassem por que a vida já está boa de mais, recordistas os casos que a mesmice toma conta, o marasmo tem reinado e falta de forças tem sentado em cima. A vida de uma pessoa só muda quando ela muda seus pensamentos. Tudo o que você faz e tudo o que tem sido até aqui são frutos dos pensamentos que você tem tido. Suas decisões foram influenciadas por eles. Suas reações diante das coisas que lhe aconteceram foram dirigidas por eles. Portanto, se você quer uma vida melhor, você tem que melhorar a matéria prima que forma os seus pensamentos. Como assim Diogo matéria prima? Sim, a matéria prima que forma nossos pensamentos inclui:




Crenças (parar que se sentir suja por conta do que você julga ser pecado, todos somos pecadores sempre)
Cultura (costumes e tradições que você cresceu ao redor)
Informações ingeridas pelos olhos e ouvidos
Amizades
Opiniões de terceiros
Princípios e valores

Algumas dessas coisas estão enraizadas em nós, já absorvidas desde que nascemos. Outras estão ao nosso redor, influenciando-nos a todo instante. Mas todas começaram do lado de fora, antes de entrarem em nossas mentes e formarem nossos pensamentos. Então questione-as.
Graças ao modo “assombrosamente maravilhoso” em que fomos formados (Salmo 139.14), nosso cérebro pode mudar e se adaptar ao que o alimentamos. Por isso a maneira mais rápida de mudar de vida permanentemente é vigiar o que você deixa entrar no seu cérebro.

Se você começar a alimentá-lo com melhor matéria prima, ele poderá gerar melhores pensamentos. Melhores pensamentos lhe ajudarão a tomar melhores decisões e ter melhores reações diante do que lhe acontece. E terá melhores resultados. E tudo isso está totalmente sob o seu controle. Às vezes na vida temos que tomar pequenas decisões, aquelas atitudes que pouco ou nada mudam, aqueles detalhes que achamos que não fazerem diferença. Pequenas decisões são as mais importantes, pois quando as conseguimos ver, sentir, as maiores já foram tomadas e estas são aquelas que faltavam.

As pessoas parecem que não entendem que os que estão em fragilidade emocional e com problemas em circulo vicioso sem solução, não resolverão seus casos com exercícios, viagens, passeios e diversão, pois não sentem prazer nestas coisas estando no estado em que se encontram. Ficar interiorizado em si mesmo também não resolve se sair e fizer coisas que gosta ajudaria, por outro lado não resolveria e aí a pessoa entraria em desânimo maior. Aliás, os que tentaram vários meios sabem muito bem disto. 

Estar vivendo fora de tempo presente' ou em desrealização, fora da realidade, é típico para vários casos, até de problemas em tempo presente que não estão conseguindo lidar ou resolver. Ficar em pensamentos fora de sua realidade, não é apenas uma fuga, mas parece ser melhor do que o mundo real em que vive mal, sem vontade de fazer nada, simplesmente deprimido ou até já apático. É hora de levantar e fazer o que ainda não fez para ter o que ainda não tem! E você sabe que precisa fazer alguma coisa, mas não sabe o que fazer ou como fazer.
Acho muito complicado algumas situações, principalmente quando envolve pessoas da família, mais precisamente quando são os pais, já vi inúmeros casos de filhos parem de viver para cuidar de seu pai ou de sua mãe, em todos os casos de pais separados, até mesmo por que ainda que sejam um casal de velhinhos se ainda estão juntos eles cuidam um do outro tirando a responsabilidade dos filhos. Não estou dizendo que devam abandonar seus pais, o que eu quero deixar bem claro é que, para se ajudar uma pessoa essa pessoa precisa querer ser ajudada. Ser e se sentir responsável por cuidar dos pais tinha que ser uma obrigação tatuada no coração de todos os filhos, seria apenas uma retribuição amorosa de tudo que foi feito por você. Pois bem, o que TODOS que possuem problemas de fragilidade emocional precisam é entender que a vida não para e que sair dessa situação só depende única e exclusivamente de você, uns preferem arregaçar as mangas e encarar o problema outros buscam força no espiritual, não existe a maneira certa existe a AÇÃO, precisa fazer alguma coisa.
Se não consegue fazer seu ente querido se animar, não o deixe te puxar para a mesma situação, não se culpe, não se sinta responsável, vá atrás de ENCONTRAR A CAUSA, isto é analisar efeitos, buscar a causa em sua própria mente, no que existe de gravações subconscientes reestimulando sofrimentos passados e te prendendo, nesse seu estado de completo desânimo e desorientação. Levante e transforme-se, você só vai conseguir ajudar alguém se estiver bem. Mantenha-se assim terá mais força e verás o mundo de outra forma.

“Para o alto e avante”

Diogo Hamlet