segunda-feira, 20 de janeiro de 2014

Cardápio na tela

Bom Dia, Boa Tarde, Boa Noite...E aí meus amigos seguidores do blog, como tens passado? Espero que estejam todos bem. Hoje eu não acordei com tanto vigor como de costume uma gripe que a muito tempo não me visitava resolveu aparecer e então estou um pouco indisposto, mas ainda assim podemos exercitar a mente e vir aqui de alguma forma trocar experiências sobre todos os temas relacionados a relacionamentos em geral. 

Um dos assuntos mais abordados e inseridos na sociedade hoje é o relacionamento “extraconjugal”, o “namorar várias mulheres”, o “pegar geral” e o famoso “sexo sem compromisso”, tema esse que naturalizado em todos os meios de comunicação, passam a ser encarados com tanta normalidade que o ser humano já o faz, sem nenhum peso na consciência. Todos são fadados a trair e a serem traídos seja, em namoro, noivado ou casamento, seja no começo, no meio ou já quase no fim, até mesmo por que com esse pensamento e atitude com certeza vai ter um fim, "você não tem como fugir disso será traído(a)." recentemente ouvi esse termo colocado exatamente dessa forma e com uma convicção redundantemente convincente. Em uma particularidade bastante íntima, abro pra vocês que já traí e já fui traído, quem teve a oportunidade de me acompanhar desde a adolescência sabe do que estou falando. Bom, me arrependo de ter feito pessoas sofrerem, me arrependo de ter escolhido a pessoa errada pra descontar nela o que fizeram comigo, me arrependo de não ter dado valor no relacionamento que futuramente mudaria minha vida. Me arrependo de não tido coragem de ser homem o suficiente pra dizer "eu te traí."

Sempre que me perguntam sobre fidelidade, inevitavelmente surge aquele velho argumento: mas por que eu seria fiel se nada me garante que o outro não está me traindo?... Essa é, sem dúvida, uma grande verdade. Jamais teremos certeza e nada pode nos garantir que a outra pessoa não vai nos trair, que ela está sendo fiel. E isso me faz lembrar de uma história:

Todas as manhãs, a caminho do trabalho, Isaque e seu amigo passavam pela padaria do Sr. Guerra. Ao pagar pelo seu pãozinho, Isaque sempre agradecia com um sorriso nos lábios e desejava ao Sr. Guerra um bom dia! Como resposta, recebia sempre o mesmo silêncio e a mesma carranca. Certo dia, seu amigo lhe perguntou:

- Isaque, por que você insiste em desejar bom dia ao Sr. Guerra e tratá-lo de forma tão amável se ele é sempre grosseiro e sem educação?

E então, sabiamente, Isaque lhe respondeu:

- Simplesmente porque não quero que ele decida como eu devo agir!

Creio que essa seja a melhor e mais sábia justificativa para a fidelidade. Ser fiel é uma escolha pessoal; não pode depender da atitude e da escolha do outro. Ou você é, ou você não é!
Obviamente, levando em conta que ninguém é perfeito e que todos nós estamos sujeitos aos equívocos, podemos escorregar. Mas o que defendo aqui é a postura de cada um. O que você considera certo e errado? O que é característica sua e o que não é?

Considero como verdade absoluta a seguinte assertiva: Não faça ao outro o que você não gostaria que fizessem a você. Esse é um clássico do mundo Clichê, independente disso creio que raríssimas pessoas diriam que não se importariam se fossem traídas. Assim sendo, não consigo entender porque tantas pessoas insistem em trair. Existem aqueles que se transformam em pessoas que fazem uma opção, manter um relacionamento aberto, que na minha visão periférica inofensiva, significa que você quer trazer a traição pro seu relacionamento usando a promiscuidade mascarada de evolução da vida a dois, me poupe.

Talvez, o fato não deveria ser encarado a partir da atitude: trair ou não trair; nem tampouco a partir da vítima: ser ou não ser traído. O fato deve ser encarado a partir de quem o praticou. Isto é: você é ou não é um traidor?!?
Pode ser que a questão colocada desta maneira pareça acusadora demais, no entanto, acredito que por trás dela exista um sentimento mais profundo e importante que deveria ser levado em conta: a compaixão.
Compaixão é um sentimento em extinção. Significa ser capaz de colocar-se no lugar do outro e conseguir sentir a dor que ele sente. Se pudéssemos fazer isso sempre, aposto que as atrocidades da vida diminuiriam consideravelmente. Especialmente a traição. #fato

Considero traição tudo aquilo que é combinado entre duas pessoas e uma delas não cumpre. Ou seja, se você, no seu relacionamento, assume a postura de estar só com aquela pessoa, supõe-se que você se sinta capaz de cumprir esse acordo. Caso contrário, deveria ser sincero o bastante para admitir que quer ficar com outras pessoas toda vez que sentir esse desejo, assumindo o risco de perder a pessoa que gosta. Quem paga esse preço? Ninguém né.

De qualquer maneira, independentemente de qual seja a sua escolha, o fato é que a verdade é sinônimo de fidelidade. Se a sua verdade vai ser aceita ou não, essa é uma outra questão com a qual você terá de lidar. Mas ser fiel é, acima de tudo, assumir somente os compromissos que se julga capaz de cumprir. E caso não consiga, independentemente dos seus motivos, o mais correto é não enganar e não mentir, ou melhor, ser sincero e contar ao outro que você quebrou o acordo. Vai doer, vai. Vai ser horrível, vai. Terá uma mudança radical na sua vida, sim terá. Mas manterá sua integridade intacta, será homem suficiente pra terminar antes sentenciar uma pessoa que por um determinado tempo se dedicou falha ou não a você.


Saber lidar com as consequências de seus atos pode demonstrar uma grandeza admirável, uma coragem que poucas pessoas têm. Além disso, ser absolvido diante da confissão é bem mais fácil do que ser perdoado diante da mentira e da tentativa de ludibriar a pessoa amada. Isso machuca muito mais, isso vai aos poucos minando o relacionamento e o pior você tem consequências árduas que podem lhe custar uma vida infeliz.

Enfim, caio novamente numa frase que escrevo sempre: a vida é feita de escolhas! Imagine que a vida fosse um grande e requintado cardápio, repleto de deliciosas opções. Todos nós, apreciadores do prazer, podemos ficar em dúvida e titubear antes de fazer o pedido. No entanto, teremos de fazê-lo, abrindo mão das demais opções, se quisermos desfrutar o sabor. 

Quando vejo pessoas se dizendo fiéis, mas traindo a pessoa amada, imagino-as como se estivessem num belo restaurante, com o prato que escolheram bem a sua frente, você sentindo o cheiro maravilhoso que ele tem, mas que de tempo em tempo, levantam-se da mesa pedindo licença para irem até o toalete e, enganando a si mesmas, correm até a cozinha se escondendo para não serem vistas e roubam colheradas de outros pratos, engolindo rapidamente e voltando correndo para seus lugares.
Resultado: não saboreiam nem o que está à sua frente e nem o que está na cozinha. E ainda se acha o espertinho. Perdem o sabor peculiar de sua escolha e não sabem aproveitar de cada opção o melhor que poderiam! Perdem a oportunidade maravilhosa de degustar o indescritível sabor do amor, porque não sabem que esse prato pede sensibilidade e entrega para ser apreciado de verdade...

E quando chega a conta, pagam caro e certamente continuam com fome!

A minha escolha é um julgamento de quem fui, misturado com a pessoa que quero ser, nunca terei crédito em uma sociedade que exige perfeição. Nunca serei um exemplo a ser seguido por que um dia eu errei. Um dia eu traí e estou condenado, assim como um viciado em drogas, que todos os dias luta para não usar novamente, é assim que sou visto, qualquer aproximação do sexo oposto é uma possível traição, por esse motivo não aceito que ninguém me diga como eu devo viver, essa é minha escolha essa é minha dieta, no meu cardápio só tem uma opção (Telma A. Martes Gomes) ao molho pardo, é assim que desfruto da vida, e é assim que vai ser, gostem ou não, esse sou Eu. 

Diogo Hamlet

terça-feira, 7 de janeiro de 2014

O Infeliz e Arduo Autruísmo

E aí galera bom dia, boa tarde, boa noite como estamos? "Ano Novo, Vida Nova", quantos de vocês não escutaram essa expressão? Tenho certeza que quase todos, só que algumas pessoas não aplicam isso na vida e quem dera se não aplicassem por que a vida já está boa de mais, recordistas os casos que a mesmice toma conta, o marasmo tem reinado e falta de forças tem sentado em cima. A vida de uma pessoa só muda quando ela muda seus pensamentos. Tudo o que você faz e tudo o que tem sido até aqui são frutos dos pensamentos que você tem tido. Suas decisões foram influenciadas por eles. Suas reações diante das coisas que lhe aconteceram foram dirigidas por eles. Portanto, se você quer uma vida melhor, você tem que melhorar a matéria prima que forma os seus pensamentos. Como assim Diogo matéria prima? Sim, a matéria prima que forma nossos pensamentos inclui:




Crenças (parar que se sentir suja por conta do que você julga ser pecado, todos somos pecadores sempre)
Cultura (costumes e tradições que você cresceu ao redor)
Informações ingeridas pelos olhos e ouvidos
Amizades
Opiniões de terceiros
Princípios e valores

Algumas dessas coisas estão enraizadas em nós, já absorvidas desde que nascemos. Outras estão ao nosso redor, influenciando-nos a todo instante. Mas todas começaram do lado de fora, antes de entrarem em nossas mentes e formarem nossos pensamentos. Então questione-as.
Graças ao modo “assombrosamente maravilhoso” em que fomos formados (Salmo 139.14), nosso cérebro pode mudar e se adaptar ao que o alimentamos. Por isso a maneira mais rápida de mudar de vida permanentemente é vigiar o que você deixa entrar no seu cérebro.

Se você começar a alimentá-lo com melhor matéria prima, ele poderá gerar melhores pensamentos. Melhores pensamentos lhe ajudarão a tomar melhores decisões e ter melhores reações diante do que lhe acontece. E terá melhores resultados. E tudo isso está totalmente sob o seu controle. Às vezes na vida temos que tomar pequenas decisões, aquelas atitudes que pouco ou nada mudam, aqueles detalhes que achamos que não fazerem diferença. Pequenas decisões são as mais importantes, pois quando as conseguimos ver, sentir, as maiores já foram tomadas e estas são aquelas que faltavam.

As pessoas parecem que não entendem que os que estão em fragilidade emocional e com problemas em circulo vicioso sem solução, não resolverão seus casos com exercícios, viagens, passeios e diversão, pois não sentem prazer nestas coisas estando no estado em que se encontram. Ficar interiorizado em si mesmo também não resolve se sair e fizer coisas que gosta ajudaria, por outro lado não resolveria e aí a pessoa entraria em desânimo maior. Aliás, os que tentaram vários meios sabem muito bem disto. 

Estar vivendo fora de tempo presente' ou em desrealização, fora da realidade, é típico para vários casos, até de problemas em tempo presente que não estão conseguindo lidar ou resolver. Ficar em pensamentos fora de sua realidade, não é apenas uma fuga, mas parece ser melhor do que o mundo real em que vive mal, sem vontade de fazer nada, simplesmente deprimido ou até já apático. É hora de levantar e fazer o que ainda não fez para ter o que ainda não tem! E você sabe que precisa fazer alguma coisa, mas não sabe o que fazer ou como fazer.
Acho muito complicado algumas situações, principalmente quando envolve pessoas da família, mais precisamente quando são os pais, já vi inúmeros casos de filhos parem de viver para cuidar de seu pai ou de sua mãe, em todos os casos de pais separados, até mesmo por que ainda que sejam um casal de velhinhos se ainda estão juntos eles cuidam um do outro tirando a responsabilidade dos filhos. Não estou dizendo que devam abandonar seus pais, o que eu quero deixar bem claro é que, para se ajudar uma pessoa essa pessoa precisa querer ser ajudada. Ser e se sentir responsável por cuidar dos pais tinha que ser uma obrigação tatuada no coração de todos os filhos, seria apenas uma retribuição amorosa de tudo que foi feito por você. Pois bem, o que TODOS que possuem problemas de fragilidade emocional precisam é entender que a vida não para e que sair dessa situação só depende única e exclusivamente de você, uns preferem arregaçar as mangas e encarar o problema outros buscam força no espiritual, não existe a maneira certa existe a AÇÃO, precisa fazer alguma coisa.
Se não consegue fazer seu ente querido se animar, não o deixe te puxar para a mesma situação, não se culpe, não se sinta responsável, vá atrás de ENCONTRAR A CAUSA, isto é analisar efeitos, buscar a causa em sua própria mente, no que existe de gravações subconscientes reestimulando sofrimentos passados e te prendendo, nesse seu estado de completo desânimo e desorientação. Levante e transforme-se, você só vai conseguir ajudar alguém se estiver bem. Mantenha-se assim terá mais força e verás o mundo de outra forma.

“Para o alto e avante”

Diogo Hamlet