domingo, 15 de junho de 2014

Dias dos Namorados #deontem

Nos intervalos de um dia trabalhoso, vi declarações e o rasgar dos corações
Vi! Ohhh se vi! casais jogando aos 4 ventos, momentos, sentimentos, paixão,
Sem tempo, sem o momento, seria o dia perfeito, futebol, alegria e entretenimento, se eu estivesse lá.
Não poder está presente, insistente, diferente, só tive como pensar e no pensar:

Ah! essa Mulher, essa namorada, essa amiga
Que me toca os lábios, como toca um beija-flor, no jardim, as flores,
Me arrepia despertando antigos e novos devaneios, lembranças de momentos... e que momentos. hummm.
De mãos no seu corpo tenho longos passeios. 

Ah! essa Mulher, essa namorada, essa amiga,
Que me cobre de beijos, que deixa seu perfume exalando sentimentos, embriagado, conquistado, hipnotizado pelo seu cheiro.
Expõe minha fragilidade e resistência, exatamente na hora que o vento traz o efeito daquele sorriso, imprevisível, inominável, meu, só meu.
Como se fosse um quadro de um célebre pintor, e a mira com olhos de sol coruscante, incendeia a tela com seu fogo sagrado, remexe a larva, no fundo, adormecida, do vulcão dos meus profundos desejos, fazendo explodir em mim o homem pleno, o amante ardente de gestos delicados, que pouco se importa com os espinhos, que tentar rasgar esse amor, monotonia rotineira viciante da vida a dois, a três, a quatro. Ops, melhor parar.
Quero para sempre, ser a dono dos seus carinhos, ser esposo de vossa excelência, quero ser o motivo do seu respirar, ser o aquele que te faz viajar, nos mais profundos sonhos, nos mais perfeitos sentimentos, no mais lindos momentos, eu quero ser...

Ah! Essa Mulher, essa namorada, essa amiga.

Diogo Hamlet

Nenhum comentário:

Postar um comentário