domingo, 8 de junho de 2014

Nem tudo está perdido

Domingo, sol, trabalho. Normalmente, auxiliar ascendente, rotineiro, o que seria comum, transformou meu dia inteiro. A degustação de momentos marcantes, tatuam na alma situações inesquecíveis, a cada olhar um segundo do novo, a cada cena apresentada no espetáculo da vida, um aprendizado, hoje envolto a energias positivas, tive o prazer de participar de uma oficina intensiva sobre vontade de viver.

Isadora, 13 anos de vida, 3 meses de leucemia e uma bagagem extraterrestre de alegria. Mãe, Filha e Neta incontestavelmente elevadas a um nível racional de realidade, amor, companheirismo, fé, união, mulheres humanitárias. 

  
Enxergam a doença que em sua grande maioria ceifou milhares de vida, com o entusiasmo e determinação que assumiram um ato digno de nota, uma exaustiva e insistente maneira de demostrar que a leucemia por si só, já tem uma carga extremamente negativa e a única forma de vencer é diariamente, repetidamente, euforicamente sorrir, só por hoje vou lutar. 


“Vou lutar e vencer, vou plantar e colher e a cada dia vou viver rompendo em fé...” 

Três mentes abertas, três mulheres vaidosas, três pessoas inteligentes, três cabeças raspadas, atitude radical, rasgando a vaidade feminina, se expondo a olhares  preconceituosos e subjugados, adultos desviando o olhar, crianças apontando. 

E as cabeças brilhantes das mulheres fascinantes levaram ao hemocentro São Lucas mais de 150 doadores de sangue, não só conseguiram a doação necessária para Isadora, como envolveram outras pessoas favorecendo-as com essa corrente do bem, uma adolescente, estudiosa, com uma vida pela frente, com um histórico de vitórias relevante, fez de um plantão corriqueiro, uma palestra motivacional, onde aprendi que existem situações que aparentemente poderiam ser piores e se tornam muito mais fáceis quando existe AMOR. 


Diogo Hamlet

2 comentários:

  1. Que belas palavras narrando uma bela história. Que lindo seria se no mundo houvesse mais algumas Isadoras com alegria contagiante... viveríamos mais leves, mais confiantes, mais felizes!

    ResponderExcluir
  2. Que belas palavras narrando uma bela história. Que lindo seria se no mundo houvesse mais algumas Isadoras com alegria contagiante... viveríamos mais leves, mais confiantes, mais felizes!

    ResponderExcluir